Capítulo 5 (Parte III) - Taddeo

3K 499 48

Hello! Estão gostando do nosso retorno? Estamos a todo vapor hein? 

Quero saber os palpites de vcs sobre o que irá acontecer!

Então deliciem-se com nosso Futuro Duque!

^^

ps.: Quero muitos comentários para saber o que vocês acham e mostrarem o quanto estão felizes pela chegada dele. Vai que vem mais em breve?
ps.2: Nunca mais avisei isso, mas meu wattpad raramente consegue responder algum comentário, mas isso não me impede de me deliciar com o que vocês escrevem aqui. Leio tudo! <3

................................................

Após uma noite praticamente insone, onde depois de foder com Eva de uma forma quase punitiva por me fazer fraquejar diante meus objetivos, a dispensei e vi o dia amanhecer enquanto perguntava-me aonde estava errando, mesmo depois de usar toda a frustração que sentia para puni-la em silêncio. Só que a verdade foi que não pareceu uma punição, pois era delicioso, bom demais, como um prazer quente e pulsante que me envolvia em sua teia para dizer que ali era o meu lugar.

Meu humor estava longe de ser dos melhores, ainda assim quando adentrei no meu escritório na vinícola na manhã seguinte, deveria imaginar que eles estariam ali a espera de uma resposta convincente. Só que embora julgasse preparado, olhando para meus pais, Théo, Steph, Bella e Igor, me sentia bem longe de estar.

Droga! O que diabos lhes diria?

— Bom dia, família. — forcei-me a saudá-los com um sorriso no rosto.

— Viemos aqui descobrir se teremos um bom dia ou não. — meu pai se pôs de pé e o meu detector de problemas começou a apitar.

— Você nos deve uma explicação, cunhado — o sorriso de Stephanne me causou calafrios e olhando para os outros em minha frente, sabia que aquela não seria uma simples conversa amigável. Estava mais para um juízo entre o céu e inferno.

— Preciso de uma bebida — dirigi-me para o bar no canto da minha imponente sala, servindo-me com um uísque escocês.

— As oito da manhã? —ouvi minha mãe resmungar e ignorei-a, molhando a garganta em seguida, deleitando-me com o sabor da bebida. Por muito pouco não gemi com o líquido na boca, conhecendo toda a pureza da bebida e apreciando-a e retirando todos os seus sabores principais. Mas aquela definitivamente não era hora de saboreá-la, por isso achei por bem lhe responder:

— Como se importasse realmente.

Ninguém sorriu ou soltou uma piada, nem mesmo Stephanne, que costumava lançar suas pérolas até mesmo em cerimonias fúnebres. Todos apenas me encaravam sério, sérios demais, nitidamente esperando que eu começasse a me explicar. Passe a sentir-me como um cordeiro a caminho do sacrifício.

— Acho que vou precisar de uma dose também — Théo se aproximou e servi uma segunda dose para mim, antes de fazer o mesmo para ele também, que assistia-me com aquele olhar cheio de desconfiança e severidade.

— Chega de enrolação, Taddeo — meu pai pareceu perder a paciência, os olhos iguais aos meus encarando-me com raiva. — Estamos aqui porque você está nitidamente saindo dos trilhos, filho. Casou-se em segredo, como uma mulher que dizia odiar e como se não bastasse ter deixado sua família no escuro, ainda quer que acreditemos que as coisas são simples assim?

A pergunta era retórica, no entanto não a enxerguei da mesma maneira.

— Deveria estar acostumado, papai, afinal, segredos são a nossa especialidade. — alfinetei de propósito, recordando-me de quando descobri sobre a mentira que envolvia a vida não apenas de Théo e Steph, mas também de toda nossa família e a da realeza.

Uma Mentira Quase Nobre - Completo até 08/11Onde as histórias ganham vida. Descobre agora