Capítulo 31

122 20 26

I

Lá fora a neve voltara a cair. Vários flocos brancos rodopiavam pelo ar até repousar sobre as árvores e no portão distante cujas lanças apontavam para o céu. Era o entardecer de domingo, e por todos os lados ouviam-se murmúrios e sons de taboas sendo afixadas aos vãos das janelas quebradas, a fim de proteger o local da friagem e de uma possível nova perturbação das aves. O que ocorrera na madrugada permanecia um mistério, e o desaparecimento de Marlon Gayler, um segredo. Absolutamente ninguém perguntava por ele, tão pouco tinham pistas de onde havia se enfiado. Aquilo era muito suspeito.

Umedecendo os lábios Dan afastou-se da janela e olhou ao redor. Tudo permanecia igual, exatamente como o garoto deixara. Ele podia ter fechado a cômoda, arrumado os lençóis, porém tinha coisas mais importantes a fazer. Olhando um momento mais para o escurecer, deu de ombros e deixou o aposento, fechando a porta ao sair. Caminhou em silêncio pelo corredor, observando o movimento de sobe e desce dos colegas, que mesmo àquele horário, ainda traziam consigo sacos contendo estilhaços e aves mortas, resultado da faxina que precisara ser dada desde as primeiras horas daquele dia. Parou frente ao quarto do irmão, respirou fundo e então fez a porta ceder. Ele estava sentado na cama.

— Dan? — Jeremy Mason esboçou um sorriso de alívio por revê-lo, então imediatamente aproximou-se — E então, descobriu algo? — retrucou observando-o fechar a porta, e seguir para a cadeira próxima ao guarda-roupa, onde se sentou. Parecia cansado.

— Ele não voltou ao quarto Jer. O lugar está do mesmo jeito, e... ninguém o viu por aí.

Jeremy respirou fundo e fitou os dedos, assim como Dan, também estava preocupado com o sumiço de Marlon Gayler.

No sonho ele...

— Talvez haja alguma ligação com o desaparecimento do frei das hortas — Mason o interrompeu erguendo-se, estava cansado de conversas sobre fantasmas, sonhos, sombras e ameaças desconhecidas — Não acha coincidência demais os dois terem sumido ao mesmo tempo? Talvez eles tenham tramado deixar-nos para trás, talvez, tenham fugido quando tiveram a oportunidade.

— Gayler não seria capaz de algo assim, você sabe melhor que eu.

— Sei? — Mason debochou, erguendo-se outra vez a caminhar até a pia — Fidelidade é algo tênue Jer, algo que tem seus limites — parou um momento a encarar a porcelana, e então abriu a torneira, buscando umedecer o rosto — Se a situação fosse ao contrário, se no meio de toda confusão me restasse apenas uma oportunidade — encarou o espelho um momento e então se virou — Você acha mesmo que não seriamos tentados a também deixá-los para trás?

Dan?!

— Qual é Jer? — ele respirou fundo, o coração apertado ao olhar para a porta — Seria sua saúde em jogo, eu... Por mais que eu me simpatize com a coragem de Gayler, por mais que eu goste dele, isso... eu... eu não pensaria duas vezes em priorizar a família.

Jeremy não sabia o que dizer. Se ao menos o irmão cabeça dura parasse um momento para ouvi-lo. Se Dan ao menos tivesse disposto em acreditar naquilo que lhe falava, em ligar os acontecimentos. Mas, este era um mal de família, o pai era igualmente cético, e o avô também, assim como a mãe contara-lhe várias vezes.

— Gayler não fez isso.

— Gayler priorizou a própria pele — Dan rebateu umedecendo os lábios, então tornou a virar-se para a pia. A água da torneira pingava lentamente, e permanecendo em silêncio por algum tempo, podia ouvir os passos no corredor, imaginando a única cena possível: Marlon Gayler deixando o quarto para ir encontrar-se com eles, a balburdia com as aves começando lá fora, os freis deixando os aposentos, e na impossibilidade de se esconder, o garoto se assustando e não pensando duas vezes antes de descer a encontrar-se com o frei das hortas. Nervosos, deviam ter aguardado apenas mais alguns instantes, mas diante da dificuldade, decidindo por fugir sozinhos.

O Exorcismo de Marlon Gayler [Romance Gay]Onde as histórias ganham vida. Descobre agora