Capítulo 25 - Sete palmos de terra

81 15 24

I

— Enterrado? — A voz vacilante ecoou na escuridão. Ele afastara-se alguns centímetros de Dan Mason, achando aquilo bastante sombrio e intrigante — Como assim?! Enterrado a quilômetros daqui?

Era inevitável sentir-se assustado. Cada pequena ligação nervosa de seu corpo estava arrepiada, e ainda incomodado com aquela sensação de estar sendo observado por algo, voltou a se ajeitar junto a ele.

— Eu o vi ser enterrado junto ao caixão — Mason resfolegou, percebendo o garoto recostar-se a seu exemplo. Ele já nem estranhava tanto a postura de Marlon Gayler. Não era a primeira vez que passava por aquilo, de alguém ficar assim, tão próximo a si que faltava pular em seu colo. Quando Jeremy estava com medo, fazia o mesmo, a diferença é que Jeremy era seu irmão, então sem receios, Dan o acolhia até que pudesse se acalmar. Assim, era compreensível Marlon reagir de igual forma, aquele lugar insalubre fazia a mente ficar fraca, e a única forma de resistir às paranoias do escuro era adormecer. Coisa que não demoraria a acontecer, já que há algum tempo, ambos estavam sonolentos.

— Mas, você tem certeza disto? — o colega questionou, ajeitando-se quando Dan buscou esticar as pernas. Sentiu-se corar, ficou um pouco constrangido por não ter se tocado de que por pouco não se enfiara entre os agasalhos dele — Bem — Limpou a garganta procurando disfarçar o mau jeito — Talvez o Jeremy tenha ficado com o objeto como recordação, e então os freis tomaram dele no primeiro dia, e então... e então... você não ficou sabendo por que o Jeremy esteve com medo de contar.

Mason nada disse. Vendo o colega falar daquele jeito, até parecia que tivera maior contato com o irmão. Mas, Jeremy não conseguiria esconder algo assim, da forma como Gayler idealizava. Por mais que aparentasse grande fragilidade, nunca fora de esconder-lhe as coisas, até porque quando tentava fazer, Mason era esperto o suficiente para descobrir. Exatamente como fizera em relação aos internos que o estiveram a assustar.

— Impossível Gayler — Disse então, respirando fundo, sentindo o pó entrar em sua garganta — Jeremy nunca ocultaria algo de mim. Ele sempre foi sincero, e quando tem algo a dizer, não consegue disfarçar — fez um minuto de silêncio, então resolveu abrir-se mais — Ele foi o maior entusiasta em incluí-lo em nosso plano de fuga, sabia?

Gayler respirou fundo, olhando ao redor (ou ao menos tentando). Aquela sensação estranha persistia e seu corpo não parava de se arrepiar, como se um sopro gélido passeasse pela masmorra. Será que Mason não o estava percebendo?

— Você... — vacilou um momento, pensando ter ouvido algo. Como nada se propagou, respirou fundo e voltou a olhar para ele, ao menos para a lateral onde estava — Me lembro de você fazer menção a algo, na noite em que fomos à vila.

— É verdade — Dan retrucou lembrando-se do episódio — Realmente mencionei. — então, ajeitando-se melhor ao seu lado, continuou — No entardecer em que o vi pela primeira vez, Jeremy estava em minha companhia. Estávamos voltando das hortas quando me apontou sua janela. Uma luz naquele quarto só podia significar algo...

— ...Um novo interno em Von Saint-Michel — Marlon completou. Já não era tão complicado compreender como funcionava a mente analítica de Dan. Ele era assim, estava sempre atento a tudo. — Ou seja — Continuou, voltando-se a ele, agora meneando a cabeça vagarosamente para afastar aquelas sensações desagradáveis que o estavam a intimidar — Um novo descarte de objetos estaria para acontecer — respirou fundo, relembrando o plano acerca de Ratazanas.

— É. Objetos que supostamente iriam pagar por nossa liberdade. — suspirou a seu exemplo, ainda descontente com a falha do plano. Marlon tornou a respirar fundo.

— Perdoe-me por não ser um colecionador de objetos de valor senhor Mason — disse tentando quebrar o gelo e afastar aquela sensação que ainda o fazia arrepiar — Se eu soubesse que Von Saint-Michel era tão diferente dos demais internatos, teria trazido algum dinheiro para subornar os professores.

O Exorcismo de Marlon Gayler [Romance Gay]Onde as histórias ganham vida. Descobre agora