Capitulo 13

299 40 8

Matthew

Nenhuma parte do dia seria tão boa, quanto estar junto com meus filhos. Claro, eles fazem algumas bagunças como todas crianças fazem, porém eles eram crianças, são inocentes e tem bom corações.  Olívia era pequenina, ela tinha cabelos dourados, com leves sardinhas nas bochechas. 

Tudo que aconteceu durante minha nova vida como pai, foi extraordinário! Você não ama nada, como você ama seu filho. Isso é a lei da vida. Seus filhos são de longe os mais importantes compromissos que você terá ao decorrer dos anos.

Eu me sentia completo, completamente amado pelos meus filhos. Sempre fui presente. Sempre indo aos parquinhos, shows de crianças, lanchonetes e até boa parte da escolinha deles, tive que estar presente. No começo foi tudo difícil, eles estavam acostumados a ficar comigo, então quando eles foram para creche, estranharam. Então eu ia meio período para eles se sentirem melhores.

Todas as minha por ventura namoradas, não tiveram contato com eles, sempre soube diferencial vida particular com as aventuras da noite. Quando eu saia, eles ficavam na casa da minha mãe, nunca tive coragem de deixar com alguém desconhecido. Ou eles estavam com Gabi, ou com meus pais.

Antes de eu adota-lós, fui chamado para uma entrevista, com os responsáveis pelo processo. Haviam varias pessoas também, não era somente eu.

Quando a mulher perguntou quais eram minhas exigências, acabei rindo. Olhei para a mulher com sinceridade — Não tenho nenhuma exigência, quero eles do jeito que nascerem. Não importa como.

No começo eu não entendi muito a pergunta, mas depois uma senhora que simpatizou comigo disse que, haviam vários casais procurando filhos somente com saúde, ou se caso viesse com algum "defeito" não iriam querer.

Tudo que vivi na foi de longe o melhor dos momentos que agora eu vivo. Oliver e Olívia são tudo para mim.


— Papai por que a mamãe não gostou da gente? - Olívia pergunta.

— Ela gostou meu amor, ela só precisa de um tempo para pensar tá bem?!

— Será que ela vai demorar papai?

— Espero que não filha.

*

Parte
Emmanuela

Leny estava contente, falando sobre como ela quase ganhou na loteria. Se todas as pessoas ficassem iguais a ela, com esse "quase ganhei na loteria".

— Eu estou apaixonada, acho que vou pedir uma mulher em namoro - Diana suspira. Ela ainda não tinha dito quem era. Geralmente ela não falava quem eram as suas garotas porem acho que ultimamente estava ficando sério.

— Será que a pizza está chegando? - Leny olha para o relógio. Estou tão exausta que o sono me consome. Porém tenho que ficar acordada para acabar não dormindo na casa da Giorgia. Respiro fundo. A campainha toca. Vejo elas animadas indo até a porta. Continuo na sala, encostada no canto do sofá. Fecho meus olhos e respiro calmamente. O sono está me vencendo.

A sensação de paz e sono, é maravilhosa.

— Olá Emmanuela.

Abro meus olhos lentamente e Matthew está parado a minha frente. As meninas não estão aqui na sala. Nem escuto vozes por perto. Será que eu estou sonhando?

— Tô com sono.

Matt sorri e fala algo que eu não entendo.

●●●●●●●●●●●●●●●●●●●●●●●●

Olá pessoal.
Quero muito continuar essa história. Muito mesmo. Porém eu tô trabalhar das sete e meia da manhã até onze da noite. Tenho só um dia de folga durante a semana inteira. Trabalho na Alemanha e aqui tá muito puxado. E esse dia livre eu falo muito com meu bebe que tá no Brasil. Por isso me desculpem a demora e falta de postagem durante um mês. É que aqui passa e mal vejo. Chego em casa morta de cansado e já quero dormir. Me desculpem. Mas vou tentar postar um capítulo por semana.

Se quiserem ver  como tá mesmo corrido me sigam no instagram: shaianelima_d

Beijos!

QB2- Recomeço Onde as histórias ganham vida. Descobre agora