Capítulo 22

6.1K 733 1.5K

Temos dois capítulos hoje, depois desse leia o 23

Sem Revisão

Norah

Mas por que ele quer me ajudar?
— Norah, o motivo não importa agora nesse momento. Melhor a gente parar por aqui, você não pode ficar aqui por mais tempo, porém, escuta com atenção:  Temos uma gerente nova, ela chegou a dois dias, quem a contatou foi o Bruno, porém, ela está no esquema para te ajudar. Nós não sabemos se o Senhor Falcon vai apresenta-lá para você, no entanto, se o fizer, é extremamente importante que você finja que nunca a viu.
—Dê quem você está falando?
— A sua babá, a Nana, ela é a nova gerente, quem conseguiu tudo foi o Patrick.
— A Nana? Mas ela nunca fez isso, era um mulher religiosa.
— Ela não está aqui sendo ela mesmo, eu vou te explicar melhor em outra ocasião, não dá para você ficar mais aqui, as câmeras serão ligadas novamente. Agora vá!

Saí do quarto apresada, tudo aquilo era uma loucura, eu estava em estado de euforia e ao mesmo tempo assustada. Cheguei na porta da suite e entrei, as coisas pareciam do mesmo jeito, andei pelo cômodo e fui até o closet, percebi que alguém já haviam trazido as malas, tinham três malas grande, nunca pensei que teria tantas coisas um dia em minha vida. Saí do closet e sentei no sofá, sei que aquele quarto tem uma câmera, então não podia demostrar muito meus sentimentos. Resolvi ficar um pouco sentada como que descansando, tirei os sapatos e massageei os pés, estiquei as pernas. Decidi me levantar, fui até o closet, abri uma das malas e peguei uma roupa leve. Segui em direção ao banheiro e sentei na beirada da banheira, ali eu poderia pensar sobre tudo aquilo. Meus pensamentos estavam a mil, tudo aquilo era surreal.

A Nana está aqui, como isso é possível? a última vez que a vi eu tinha dez anos, a quase dez anos que não a vejo. Dei um sorriso nervoso, ela sempre foi a mãe que eu não tive, cuidou de mim, sempre foi minha amiga, até o dia que Madame Remy entrou na minha vida. Ela desapareceu e nunca mais a vi. Como ela deve está agora? Não deve está tão velha, ela tinha uns quarenta anos quando cuidava de mim.

Pensei no Officer Cooper, era tão estranho o fato dele querer me ajudar, mas eu não sei porquê, sinto uma ligação muito forte com ele, é algo inexplicável. Não quero que ele seja mais uma vítima do Enrico, por essa razão eu não vou aceitar a proposta.

Me levantei decidida e fui tomar um banho, não vou colocar mais pessoas em risco, principalmente a Nana, tenho certeza que ela não sabe com quem está lidando, vou lhe falar assim que tiver uma oportunidade. Tomei um banho demorado ainda com todas aquelas informações girando em minha cabeça, depois do banho, me vesti e fui deitar um pouco. Não parava de pensar, a  dúvida, o medo, as incertezas. Não estava conseguindo relaxar, então levantei e fui até o closet, vou arrumar as roupas. Abri a primeira mala e comecei a tirar o conteúdo, eram roupas tão lindas, nunca em nem um milhão de anos imaginei usar algo parecido. Passei a mão pelo tecido macio, não sentia que aquelas coisas me pertenciam, via mais como um uniforme de trabalho.

Balancei a cabeça e comecei a arrumar tudo. Ao terminar aquela mala, sentei no chão e dobrei as pernas, abri a outra, nessa continha souvenirs e alguns objetos de decoração. Peguei o cavalo de cristal, é lindo mas aonde pô-lo? Levantei-o contra luz e ele brilhou com raios coloridos. Ao mesmo tempo que o cavalo brilhava, a pulseira que estava no meu pulso também brilhou, olhei para ela e estremeci, será que realmente vale tanto quanto Cleide disse? Se sim, porque ele me presenteou com ela?

Lembrei do colar e peguei o estojo onde estava guardado, eu havia colocado em um bolso secreto da mala. O abri, vi o colar, lindíssimo, as pedras pareciam diamantes, porém não tenho certeza, nunca vi diamantes antes. Se realmente forem diamantes, parecem verdadeiros, se sim, deve valer muito mais que a pulseira. Passei a mão pelas pedras, eram frias, seu brilho ofuscava a visão. Não sei por que ele me dá essas coisas. Fechei o estojo, levantei e o coloquei em uma gaveta, voltei a sentar no chão. olhei todos aqueles objetos e suspirei desanimada. resolvi deixar tudo na mala mesmo.

Sob o Jugo do Mafioso +18 concluído Leia esta história GRATUITAMENTE!