Capítulo 20

7.8K 807 3.4K

Oi pessoal, mais um capítulo para vocês. Desculpa não ter postado o capítulo de ontem mas houve alguns contratempos. Aos Domingos não terá capítulo.

Sem revisão

Norah

Estamos no carro, eu olho através da janela, se eu achei que Nova York era agitado, aqui era dez vezes mais, Simplesmente a cidade fervilhava de pessoas de todos os tipos, porém pessoas despojadas, com roupas coloridos, as mulheres se vestiam de forma informal, com shorts, saias ou vestidos curtíssimos. Os homens também, com roupas descoladas, muitos com cabelos coloridos.

Olhei para o Enrico que estava sentado do meu lado, ele nunca se parecerá com aquelas pessoas descontraídas, ele sempre sério, os únicos sorrisos que vi em seus lábios foram  os de escárnio. Enrico
estava ocupado, falando ao celular, suspirei e voltei a olhar para as pessoas na rua, senti inveja delas, eram pessoas livres coisa que nunca experimentei, sai de um cativeiro para outro muito pior. Senti minhas nádegas ardendo, isso me faz lembrar que amanhã ele vai continuar com esse treinamento, engulo a seco, eu não quero isso, eu quero ir embora, eu preciso ir. Aperto a bolsa que está no meu colo como se ali estivesse toda  a minha vida.

O carro parou em frente a uma loja, Enrico saiu e logo veio para o meu lado e me ajudou a descer, entramos na loja e uma mulher muito elegante veio nos atender

— Senhor Falcon, que honra tê-lo aqui
— Essa é minha acompanhante, Norah Wood, quero que separe para ela roupas para todas as ocasiões.
— Perfeitamente Senhor, por favor me acompanhe, temos uma sala exclusiva, o senhor pode sentar-se e ficar à vontade, enquanto eu e a senhorita Wood escolhemos as peças
— Ótimo!

Seguimos até a sala, Enrico sentou em uma poltrona e logo alguém o serviu uma bebida, ele acendeu seu charuto e ficou esperando. Eu e a vendedora seguimos para umaoutra parte da loja e ela começou a separar varias roupas, então ela disse:
— Experimenta esse conjunto de shorts e blusa.

Entrei na cabine e coloquei o conjunto, ficou perfeito, a vendedora disse:
— Vamos mostrar para o Senhor Falcon
A mulher me guiou até onde estava o Enrico e me fez desfilar na frente dele, eu estava tão sem jeito, me
sentia dentro do filme "Uma linda mulher" que havia assistido quando era criança. Enrico aprovava a roupa apenas com um movimento negativo ou positivo com a cabeça. Assim foi com todas as roupas, eu experimentei roupas para todas as ocasiões, roupas despojadas até roupas sociais. Enrico também comprou acessórios.

Estava me olhando no espelho, o vestido que eu estava usando naquele momento era lindíssimo, moldurado perfeitamente o corpo, o decote generosa mostrava as curvas do meus seios e a saia era curtíssima. Era um vestido sexy, fui até onde estava o Enrico para que ele avaliasse, ele estava no celular e quando me viu, parou de falar e ficou me olhando como se estivesse diante de uma presa, ele fez um sinal para que eu desse um giro para que pudesse ver por todos os ângulos.
— Está perfeito, usará esse vestido para irmos à boate hoje à noite

Não disse nada, apenas concordei e voltei para o trocador. Depois que Enrico escolheu todas as roupas, saímos da loja e para minha surpresa, não entramos no carro, seguimos pelas ruas movimentadas. Haviam viários artistas com fantasias de personagens famosos, muitos Elvis Presley. Eu estava encantada, realmente estava em uma cidade magica, estava me sentindo uma criança. Comecei a relaxar e esquecer a minha condição de prisioneira, Enrico estava sendo super atencioso, fazia todas as minhas vontades, comprava todas as coisas que eu achava interessante. Paramos em uma loja de souvenirs, tinha tantas coisinhas lindas, parei em frente a uma vitrine, havia um cavalo todo esculpido em cristal, o preço era exorbitante.

— Você gostou? — Enrico perguntou
— Sim, é lindo
— Quer levá-lo?
— Não, obrigada, eu não tenho uma casa para colocá-lo.
Me preparei para me afastar, porém Enrico me segurou pelo pulso forte e me fez voltar, virando-se para o vendedor disse:
— Vamos levar
Eu não disse nada, ele com sua tirania não aceitava um não. Acabamos levando varias outras coisas, tudo que eu olhava, ele mandava o vendedor separar.
Saímos da loja e continuamos andando entre as pessoas, reparei que por onde a gente andava as pessoas paravam ou davam caminho, Enrico não saia do meu lado nem por um minuto, o meu plano de ir embora não seria possível, além do Enrico haviam os seguranças que andavam atrás da gente o tempo todo. Suspirei desanimada e resolvi curtir o passeio, não tinha muito o que fazer naquele momento.

Sob o Jugo do Mafioso +18 concluído Leia esta história GRATUITAMENTE!