Capítulo 18

8.5K 818 5.1K

⚠️ Aviso importante : O horário de postagem do capítulo mudou, agora ao invés de postar a noite, postarei pela manhã, quando vocês acordarem, terá um capítulo novinho os esperando.

Agora vamos para o capítulo

Sem revisão

Norah

Estamos em uma varanda da suite sentados à mesa, tomando o café da manhã, na verdade já não era exatamente manhã, eram mais de onze horas, porém Enrico só pediu a refeição depois que transamos mais uma vez aquela manhã. Eu estou morrendo de fome e não faço cerimônias, encho o prato com cada coisa da vasta mesa. Começo a comer enquanto observo o cenário a minha frente, a visão é magnífica, estamos em uma varanda de fundos para o Resort e tudo é incrivelmente lindo, o lugar é enorme e tem tudo que possa imaginar de entretenimento para adultos. Enrico me falou as coisas  que o local oferece, além  do hotel casino, tinha campo de golfe, boates, centro de eventos, piscinas, restaurantes temáticos, spas e muito mais.

Segundo ele, depois do café da manhã, nós vamos conhecer uma parte do Resort, confesso que estou animada, nunca pensei em existir um lugar como aquele no mundo. Senti a brisa morna beijar meu rosto, o clima em Las Vegas é bem diferente de Nova York, é quente e seco. Olhei para onde Enrico estava sentado à mesa conversando com Bruno, o segurança que anda com ele quase sempre, eles estavam falando coisas sobre a Máfia, em matar pessoas, cobrar dívidas, pegar traidores, eu realmente não estou interessada em saber, nunca vou me acostumar com isso, eles falam em matar pessoas como se estivessem escolhendo qual roupa usar.

Enrico fala dessas coisas abertamente em minha presença, ele simplesmente me ignora ou me acha tão burra a ponto de não ser capaz de entender do que eles estão falando ou pior ainda, me ver apenas como um objeto inanimado, um brinquedo que ele pode brincar a hora que quiser e quando ele tem algo mais importante para fazer, joga o brinquedinho em
algum canto até sentir vontade de brincar novamente, é assim que me sinto naquele momento.

Ele estava vestido com um terno, era estranho vê-lo vestido assim, geralmente ele anda todo de preto, sempre com o sobretudo, mas hoje está parecendo um empresário. Volto o olhar para a paisagem, eu realmente não sei o que esperar desse relacionamento, que na verdade para mim não se parece nada com um relacionamento normal, sou obrigada a viver com ele, a transar com ele, sei que as vezes sinto prazer, mas como não sentir? Ele sabe como usar meu corpo, eu nunca tive um homem, nem ao menos me descobri sexualmente, mas ele me faz sentir desejável, sentir coisas que nunca imaginei sentir na vida, eu simplesmente derreto nas mãos dele quando me toca com gentileza, me abraça, me beija, não me chama de puta, me chama de baby, eu gosto quando ele me chama assim, meu coração bate forte, como um tambor descontrolado.

Tudo isso é tão complexo, eu não quero sentir nada por ele, eu luto contra isso, mas estou cada vez mais dependente dele, eu acho que é só sexo, o prazer vicia, eu gosto da sensação que isso causa. Fico com o rosto quente, como posso sentir essas coisas nos braços de um homem que me machucou, que tirou minha virgindade sem piedade?

— Norah, já terminou? — ouço-o perguntar, olho em sua direção e ele já está de pé, Bruno também estava de pé e sem demora faz uma pequena mesura em minha direção e diz:
— Com licença Senhorita Wood
Ele se retira e Enrico vem em minha direção, estende a mão e diz:

— Vem!

Seguro na mão dele e sou puxada para junto do seu corpo, sinto seu perfume másculo, já estou acostumada com seu cheiro, uma mistura de tabaco e almíscar, sinto minha vagina latejar, não quero sentir isso, porém é mais forte que eu. Ele me foca com seus olhos negros, ele sabe como estou me sentindo, sabe como me deixa, em seus lábios surge um esboço de sorriso sacana, ele fala com voz aveludada:

Sob o Jugo do Mafioso +18 concluído Leia esta história GRATUITAMENTE!