Capítulo 17

8.4K 813 2.7K

🌶🌶🌶🌶 hot hot hot hot hot hot hot🌶🌶🌶🌶
🔥🔥🔥🔥🔥🔥🔥🔥🔥🔥🔥🔥🔥🔥🔥🔥🔥

Sem Revisão

Norah

Ele me olhava com os olhos mortais, eu comecei a tremer, meu coração estava acelerado. Para minha surpresa, Enrico estendeu a mão e pegou a caixa, coloca-a de volta no bolso do sobretudo, fixo meu olhar em seus movimentos, não estou acreditando que ele vai aceitar a minha negativa ao seu presente sem criar uma confusão. Encaro de volta para seus olhos, ele continuou com o olhar mortal. O vejo tirar o sobretudo e jogá-lo em uma cadeira com violência, ele se volta para mim e continua despindo-se. Eu respiro com dificuldade, não sei qual é o pior, a fúria descontrolada dele ou a fúria contida, sei que ele não vai fazer algo bom comigo.

Quando ele está só de calça, me pega pelos braços e me faz levantar, de meus lábios saí um pequeno protesto, eu não posso deixá-lo me machucar mais
— Enrico, por favor...
Não termino, ele segura com violência meu queixo e fala com voz baixa:
— Cala a boca
Eu me calo, ele solta o meu rosto e desliza a mão até meu ombro onde começa a tirar meu casaco. Quando termina, vai até o fechecler do meu vestido e começa a abrir lentamente, minha respiração fica suspensa, eu só escuto o barulho do zíper descendo. Quando chega no final, ele tira meu vestido, fico só de calcinha e sutiã. Sinto seus lábios beijar meu ombro desnudo, seu hálito quente em minha pele, fico arrepiada, meus mamilos ficam enrijecidos, dos meus lábios saí um som como suspiro, gemido. Ele continua beijando meu ombro enquanto abre o fecho do sutiã, meus mamilos são liberados do bojo apertado.

Ele me abraça, meus seios ficam em contato com a pelo do peito dele e aquilo me faz sentir coisas que não quero, sinto minha vagina lubrificar, isso me incomoda e me causa náuseas, porém ao mesmo tempo me faz sentir-me quente, me faz vibrar por dentro. Enrico então, me pega no colo e me leva até a cama, ele me deita nos lençóis macios e continua me beijando, ele faz isso de forma carinhosa.

Seus beijos trilham um caminho até meus seios, contornando meus mamilos com a língua, sinto sua respiração contra minha pele, arrepio-me. Enrico continuou sua trilha de beijos até meu ventre, sinto sua língua quente em minha pele, minha vagina lateja, sem perceber, entreabro as pernas, quero senti-lo, quero sentir o seu beijo molhado em minha vagina. Arfo, eu o quero dentro de mim, eu quero que ele me possua.

Enrico, desceu até a minha carne rosada e totalmente pronta para ele, sinto sua língua em minha entrada, Deus! Como aquilo era bom. Eu não queria pensar mais em nada, só aquele momento, só naquela língua me invadindo. Ele passava a língua em meu clitóris, que estava inchado, arqueio meu quadril para senti-lo melhor, vou morrer, eu o quero, agora. Ele explora ali e eu começo a pedir entre gemidos
— Por favor
Enrico para de me lamber, meu coração acelera, começo a implorar
—Não para, por favor, não para

Ele tirou sua boca da minha vagina, senti como se estivesse perdida, eu o quero. Enrico ficou de joelhos, me fez levantar e virar de costas para ele, me posicionou de joelhos também. Me abraçou eu podia sentir seu pênis em minhas costas, ele estava tão duro e eu queria aquele membro dentro de mim, preciso dele. Enrico fala em meu ouvido
— Você quer que eu te foda?
—Sim — falo em um sussurro de voz
— Você quer meu pau te possuindo, sem piedade
— Sim
— Peça-me pequena, implore para eu te foder
— Me fode, por favor — falo com a voz embargada pelo desejo

Sinto a sua respiração acelerada em meu pescoço, ele pega em seu pênis e passa na minha bunda, desliza entre a bunda e a vagina, segura na minha cintura e encontra a minha entrada da boceta, ele me penetra por trás, eu gemo, minha boceta está completamente pronta para ele. Seu pênis deslizou em minha entrada até senti-lo completamente dentro de mim. Enrico começou os movimentos, primeiro lento, depois rápido e urgente, acariciando os seios e com a outra mão, massageando meu clitóris. Eu gemia e falei o nome dele com a voz estrangulada.
— Enrico, Enrico, Enrico
— Isso baby, Enrico, seu homem, seu dono
— Sim — Falo entre gemidos gemidos

Sob o Jugo do Mafioso +18 concluído Leia esta história GRATUITAMENTE!