Capítulo 16

7.9K 852 1.6K

Sem Revisão

Enrico

Ela é linda demais e quando me olha com esses olhos azuis arregalados e assustados meu pau se manifesta na hora, eu vou foder tanto essa garota, de todas as formas, vou deixar seu corpo afiado a um toque meu. 
— Come seu sorvete  — Digo de maneira mansa

Ela começa a comer devagar, tenho certeza que ela quer saber o que vamos fazer em Las Vegas, mas está sem coragem de perguntar, gosto disso, ela já está aprendendo que não deve questionar as minhas decisões, ela vai fazer o que eu quiser e do jeito que eu quiser sem reclamar. Fico a observando, ela está com a cabeça baixa mas já posso escutar seus soluços baixo, Porra! Ela já vai chorar
— O que foi agora Porra!? — pergunto já irritado

Ela se assusta com a minha pergunta e me olha com os olhos banhado em lágrimas, Puta merda! essa menina está me tirando do sério, eu vou comê-la aqui, já estou quase perdendo o controle,  ela me olha assim me deixa louco, ouço sua voz baixa e chorosa.
— O que vamos fazer em Las Vegas?
— Eu tenho negócios lá, vamos ficar um tempo
— Eu não quero ir
— Porra! Eu te dei alguma opção Caralho!?
— Eu quero ficar no bordel

Me levanto muito puto, ela realmente está testando a minha paciência, me aproximo dela e a suspendo pelos braços e falo com raiva a sacudindo
— Você vai para onde eu for, entendeu?
— Enrico
Escuto a voz de uma mulher, me viro para a direção e a vejo, Lauren, a esposa de Nicko, uma mulher baixa, corpulenta e de uma língua afiada, já mandei Nicko cortar a língua dela, porém meu amigo foi pego na armadilha do amor eterno, quase vomito  quando penso nisso. Solto a Norah e a cumprimento
— Lauren, como está?
— Estou bem Enrico e você?
— Bem
— Quem é a moça?
Pego a Norah pelos braços e as apresento
— Essa é a Norah Wood
— Prazer em conhecê-la senhorita Wood, meu nome é Lauren Marconi, esposa do Nicko
— Prazer em conhecê-la senhora Marconi
— Posso chamá-la de Norah?
— Sim, claro
— Então pode me chamar de Lauren

Lauren vira-se para mim, tenho certeza que ela vai falar alguma coisa sobre a aparência da Norah
— Enrico, o que você andou fazendo com a menina, Olha para ela, está machucada
— Acho que isso não é da sua conta Lauren
Nesse momento, meu amigo Nicko chegou e falou
— Vamos esfriar os ânimos aqui
Vejo que ele pegou no braço da esposa e falou para ela
— Lauren querida, você não quer levar um tiro hoje não é?
— Não falei nada demais

Ele se virou para mim e perguntou
— Enrico, deixa a Lauren levar a Norah lá para dentro, assim elas podem conversar um pouco enquanto a gente fuma um charuto

Olhei para meu amigo, Nicko é um bom amigo, veio da Itália para a América com muitos sonhos, mas a vida mão é fácil para um imigrante, porém nos conhecemos e eu o ajudei a abrir o restaurante, ele é o dono, mas eu tenho a minha participação nos lucros e o mais importante, sua lealdade eterna, sei que ele me será eternamente grato e isso que faz essa engrenagem toda funcionar, a lealdade, cada pessoa que está nesse mundo tem uma dívida de gratidão comigo, eu preciso controla-lós, é assim que funciona. Porém,mesmo com toda a lealdade, ainda alguns tentam me desafiar, tenho certeza que nenhum está vivo para contar a história. Já o Nicko é diferente, eu realmente o vejo não só como amigo mas como irmão, por esse motivo, ainda não dei um tiro na esposa dele.

Resolvo deixar Norah ir, preciso dar uma esfriada na cabeça.Viro-me para ela e falo:
— Vai com ela Norah
Lauren pega na mão dela e a leva para os fundos do restaurante já tagarelando como uma hiena. Meu amigo Nicko vira-se em minha direção
— Nos livramos das mulheres.
Nicko sentou em um dos sofás e eu fiz o mesmo, ele abriu uma caixa de charutos e inalou, estendeu para mim e disse:
— Seus preferidos
Peguei um e inalei o perfume inebriante, adoro charuto cubano. Nicko acendeu e eu traguei com prazer. Nicko também fez o mesmo. Ficamos em silêncio por um tempo, mas logo Nicko começou a falar:

Sob o Jugo do Mafioso +18 concluído Leia esta história GRATUITAMENTE!