Capítulo 22 (Dia 4)

1.9K 311 470

Setor 6 | 8 ºC
Contagem regressiva: 15 dias

Nesse momento, temos certeza de algumas coisas.

O Gabe realmente não está do nosso lado, voltamos a estaca zero quanto ao antídoto e o Setor 3 vai ser implodido em breve.

Ou seja, não temos tempo a perder.

Assim que apagamos o nosso rastro no prédio e pegamos tudo o que era necessário, partimos.

Seguimos por uma estrada secundária que é praticamente como andar no meio da floresta.

Há partes em que o asfalto já não existe e temos que desviar de buracos e obstáculos o tempo todo. Os faróis na luz mínima também não nos passam segurança, mas viajar pelas estradas principais, mesmo à noite, nos colocaria em um risco muito maior.

Lucas e Armon, que já estão um pouco mais habituados a este tipo de condução e sabem o caminho, revezam no volante, e os outros carros nos seguem. Mere, Matt e Kyle estão no banco do meio. Nathan, Vitor e eu estamos no de trás.

Depois da tensão e da decepção que tivemos hoje, merecíamos um pouco de sossego, mas não é isso que temos.

— Eu não acredito que vocês trocaram a Matriz por isso — Kyle continua reclamando desde que entramos no carro.

— Cala a boca, Kyle — Matt diz já sem paciência.

— Só se o meu Príncipe pedir... com jeitinho — ele ri da provocação que faz para o Nathan.

— Armon, para o carro, por favor — Nathan diz e Armon diminui a velocidade até parar sem desligar o motor. — Sai do carro, Kyle — ele ordena.

— Eu não vou sair no meio do nada, muito menos nesse frio. Eu vou morrer lá fora — ele protesta.

— Tenho certeza que ninguém se importa — Nathan responde. — Para fora.

— Mas... — Ele tenta contestar.

— Agora! — Nathan é imperativo.

Ele sai do carro contrariado, mas continua reclamando. A sorte dele é que o Armon vai muito devagar por causa dos buracos.

Depois de um tempo ao relento, ele para de falar. Estava quase adormecendo quando acordo com um grito dele.

Que merda! — ele exclama e eu e Mere nos olhamos assustadas.

— Ele só pisou em uma poça de lama — Matt diz para nos tranquilizar, mas não contém uma risada.

Kyle bate na porta e Matt a abre.

— Se você voltar a reclamar... — Matt fala.

— Eu já entendi — diz entrando e sentando sem o sorriso sarcástico de antes.

Com o silêncio de Kyle, acho que adormeci algumas vezes, o que me fez aproximar de Nathan mesmo que eu não quisesse. Ainda estou magoada, não por que a foto que o Nathan me mostrou me fez acreditar que o Lucas e a Anna estavam juntos, essa culpa eu assumo, mas por me lembrar de como o Nathan me fez sofrer naquele dia.

Desperto com um espirro e então vejo que foi de Mere.

— Desculpe — ela fala envergonhada.

— Você está bem? — Matt pergunta.

— Acho que é só um resfriado, está um gelo aqui — ela reclama. Então observo o Lucas abrir o porta-luvas e tirar uma manta fina de lá. Ele a entrega para o Matt que a abre e coloca em volta da Mere. Vejo que ele percebe que tem algo errado e coloca o dorso da mão na testa dela.

A Resistência | Contra o Tempo (Livro 2)Leia esta história GRATUITAMENTE!