Capítulo Nove

4K 639 198

Adrian D'Ávila

Ouço as risadas alegres de Evan e isso aquece meu peito de uma maneira única. Nunca achei que um serzinho tão pequeno, fosse me causar tanta felicidade. Eu sei que ele não é nada meu, não temos laço algum, mas eu me sinto tão em paz quando tenho a presença dele ao meu redor. Bem diferente dos sentimentos conflitantes que sinto em relação a Castiel.

- Oi! - Escuto a voz que me persegue meus pensamentos há alguns dias e assim que me viro, vejo Castiel parado perto do sofá, nos olhando com intensidade.

Paro minha brincadeira com o pequeno e sigo apenas com ele em meus braços.

- Oi, dona Clarisse está fazendo o almoço e ela disse que não teria problema em eu ficar com ele por alguns minutos. - Falo, me sentindo estranhamente inseguro.

- Tudo bem. - Ele responde simples e logo pega o filho dos meus braços, que fica feliz ao ver o pai.

- Ei meu amor, papai estava morrendo de saudades de você. - Ele fala sorridente e deixa vários beijo no filho.

- Bem, eu vou indo. - Falo e pego meu chapéu em cima da pequena mesa de centro.

- Já que está aqui fique para almoçar, até porque se minha vó não fizer a comida você morre de fome, não é? - Ele fala com seu humor ácido de sempre.

- Acho que não sou tão dependente assim de dona Clarisse, mas obrigado pelo convite. Só que hoje você não terá minha presença, já tenho compromisso. - Falo e coloco o chapéu na cabeça, seguindo até a porta.

- Espera, quero falar uma coisa com você. - Ele diz e isso me faz parar e olhar em sua direção.

- Pode falar. - Respondo e vejo ele ajeitar Evan em seu colo, que já começa a dar sinais de cansaço.

- Olha eu já percebi que você gosta bastante de Evan e eu sinceramente não tenho nada contra isso, mas um dia nós vamos embora. Sei que ele também gosta muito de você e aos poucos ele está associando sua presença a de um pai e eu não quero isso. Não quero que meu filho crie uma ilusão e sentimentos por você. Ele ainda pode ser bem pequeno, mas sente e vai ser terrível para ele quando você se afastar por conta dos seus próprios filhos. Eu sempre criei ele sozinho e vou continuar fazendo isso, pois minha prioridade sempre será ele. - Ele fala sério e suas palavras me pegam de surpresa.

- Se você quer que eu me afaste dele tudo bem, como você disse ele seu filho e você que sabe o melhor para ele. Mas eu te garanto que jamais abandonaria ele. Tem pouco tempo que conheço vocês, mas já gosto bastante desse garotinho. - Falo e sem ter mais o que dizer, viro minhas costas para ele e saio da casa.

Solto um suspiro e desço os degraus da varanda. Caminho até meu cavalo que está amarrado em uma árvore próxima. Desato o nó que o prendia a árvore e monto no animal, logo dando um comando para ele começar a caminhar. Mantenho um ritmo não tão rápido e quando percebo, já estou perto da cachoeira que fica em minha propriedade. Sigo pela trilha que leva até meu lugar preferido e sinto uma paz tomar conta de mim quando vejo o lugar que marcou minha infância junto aos meus pais.

Desço do cavalo e o livre para pastar. Ando a passos lentos até a areia branca e tiro meus sapatos para poder a sentir abaixo dos meus pés. Me sento na areia fofa e fecho meus olhos.

Por que ele me pedir para se afastar me incomodou tanto? Droga, Evan não é seu filho Adrian e nem Castiel é nada seu... mais cedo ou mais tarde eles vão embora.

➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖

Castiel Almeida

Vejo Adrian sumir montado em seu cavalo negro e solto um suspiro cansado. Olho para Evan e vejo ele ressonar baixinho em meu ombro. Me viro para ir para meu quarto e encontro minha avó parada no corredor.

- Por que fez isso? - Ela pergunta e me olha com o rosto sério.

- Isso o quê? Ele nem é nada do meu filho. - Falo na defensiva e começo a ir em direção ao quarto de Evan.

- Você está afastando ele pensando no bem estar do seu filho mesmo, ou por que está com medo? - Ela pergunta e isso me irrita.

- Medo de que vó? Nós mau nos conhecemos. - Falo irritado e entro no quartinho de Evan, colocando ele no berço logo em seguida.

Ligo o climatizador e fecho as cortinas, deixando o quarto mais escuro.

- Acho que você está começando a sentir alguma coisa por ele, por isso está com medo. Está com medo de se apaixonar e por isso quer o afastar, mas está fazendo de modo errado, já que seu filho já ama Adrian e vai sentir falta dele. - Ela fala e eu fico em silêncio.

Caminho até a cômoda no canto do quarto e pego uma muda de roupa para Evan, já que assim que ele acordar precisa de um banho. Deixo as pequenas roupas sobre a pequena cama e me sento na mesma, me sentindo cansado de toda essa conversa.

- Por que acha que gosto dele? - Pergunto cansado.

- Posso ver em seu olhos, acha que me engana com esse seu jeito ácido? Eu te conheço desde que nasceu Castiel. - Ela fala e se senta ao meu lado na cama.

- Pois está enganada, só vai fazer um mês que estou aqui e é impossível eu já estar gostando de alguém. Se eu quisesse é claro, pois não estou interessado. O amor só nos deixa cego e fraco e eu prometi a mim mesmo nunca mais cair nessa armadilha. - Falo sério.

- Acha Evan algo ruim? - Ela pergunta é olho para ela incrédulo.

- É claro que não, meu filho é a melhor coisa que já me aconteceu. - Respondo rápido.

- Então o amor que sentiu não foi uma armadilha tão grande, afinal ele te trouxe Evan. - Ela diz e eu olho para meu filho dormindo tranquilo em seu berço.

- Mas trouxe muita dor também e quase me fez perder meu filho, assim como quase me fez morrer também. - Falo e sinto meus olhos queimarem com a vontade de chorar, mas me seguro e me mantenho firme.

- Tudo bem, você sabe o que faz. O almoço já está pronto. - Ela fala e se levanta, indo em direção a porta.

Fecho meus olhos com força e sinto uma lágrima escorrer por meu rosto, mas logo a enxugo. Me levanto e vou até o berço de Evan, me abaixo e deixo um beijo na testa dele.

- Papa te ama muito meu amor. - Falo baixinho e deixo mais um beijo nele.

Saio do quarto dele e vou para o meu. Pego uma troca de roupa e minha toalha e sigo até o banheiro no corredor. Tomo um banho na água morna e tento relaxar um pouco. Eu só queria poder chegar e descansar, mas parece que o destino quis algo diferente para mim.

Termino meu banho e volto para meu quarto, me deito na cama e resolvo dormir um pouco, já que não estou muito a fim de comer... acabei perdendo a fome depois de tudo. Fecho meus olhos e é impossível não visualizar a imagem de um par de olhos  azuis e cabelos selvagens me olhando.

➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖

2/2

Olá jujubas, espero que tenham gostado. Castiel foi um pouco duro, não? Mas ele tem seus motivos.

Será mesmo que está pintando uma paixão nesses dois?

●Espero que quem tenha feito o Enem tenha tirado a nota esperada. ☺

Bjus da Juh até a próxima 😘😘

Cowboy Indomável (Mpreg) - Duologia "Indomável" - Livro 02Onde as histórias ganham vida. Descobre agora