Residentes.

22 8 2

Erick Griffin

Após todos esses anos longe do cargo que escolhi ocupar, Saether resolve trazer-me de volta ao posto de onde jamais deveria ter saído. Retorno de minha 'prisão' como diretor. Claro que não receber meu pagamento deixou-me particularmente de mau humor, mas nada que caminhar pelo meu antigo hospital não resolva.
Após assinar minha posse de cargo caminhei pelas enfermarias e quartos, agora tão abarrotados quanto podem. O Estado ter entrado com investimentos não foi uma boa escolha. Como ter tempo e espaço para desenvolver a própria terapia com tantos loucos por metro quadrado?
Meu antigo quarto ainda sabe minha senha e, parece ter ficado intacto todos esses anos. O cheiro de mofo e poeira contrastam com o silêncio da porta anti-ruídos. Parece outro mundo.
Vou ao meu armário, buscando por roupas limpas e, após um longo banho estou pronto para conhecer esses alunos dos quais serei chefe.
O alojamento dos residentes não tem todo o glamour do meu quarto, mas não é de todo mal. Thiago construiu um pequeno prédio colado ao hospital para que facilitasse o acesso por dentro do mesmo. Existem diversas suítes vazias, apenas equipadas com uma cama e uma escrivaninha. Tudo muito bem construído, devo admitir.
São vinte quartos iguais, mas apenas um está com a porta trancada, possivelmente da linda moça que me tirou do quarto provisório hoje mais cedo; Maya. Incomodo-me que apenas haja uma residente, pensei que iria ter mais trabalho.
Antes que me retirasse do alojamento, passo por um papel colado na parede, que ao ler um sorriso surge em meus lábios.

Bem vindos ao Island Asylum!
Andy Guima
João Lucas Castelli
Gabriela Andrade
Luana Evans

Não consegui descobrir se serão residentes médicos ou de outras profissões, mas de qualquer forma sei que eles estão a caminho. A data assinada no papel diz do dia de hoje.
Sigo para o arquivo e, sem maiores problemas descubro o horário de recepção dos novos estudantes.
Duas horas depois fui até o local de desembarque dos navios e vejo ao longe a embarcação.
Dois rapazes e duas jovens muito interessantes, por assim dizer. O rapaz que parece ser o mais despojado, sai na frente com um sorriso. Ainda espanto-me como alguém poderia escolher vir trabalhar aqui ainda tão jovem. Talvez essa geração ainda tenha jeito.
Ele e os outro vem em minha direção com papeis em mãos. Observo cada um deles.
O rapaz que me chamou atenção é Andy, um jovem de aparentemente quase trinta anos mas com uma jovialidade invejável. Tem cabelos e olhos castanho escuros, porta um largo sorriso de dentes alinhados. O papel que trazia consigo me deu uma breve noção do por quê Thiago os escolheu. Problemáticos. São pessoas que o Conselho está oferecendo uma segunda chance. Uma equipe totalmente médica e com passagens pela polícia me fizeram gostar ainda mais da posição que recebi.
Pois bem. Bem vindos à sua segunda chance. — Disse eu em tom sério, discretamente intimidador.
A menina de aparência mais jovem com cabelos pretos franze a sobrancelha para o meu comentário. Em seu papel dizia o nome Gabriela.
Gabriela é muito branca, talvez até pálida. Tem os cabelos pretos, misturados com uma parte pintada de um tom desbotado de verde. De todas é a mais simples, usa um macacão largo. Seus olhos castanho-claros pareciam refletir os piores sentimentos e impressões.
O rapaz mais bonito é João Lucas. Tem olhos cinza e um porte de galã internacional. Com um pequeno e alinhado topete distrai minha atenção para o quão adequadas suas roupas estão. Usa uma camisa social salmão e uma gravata preta combinando com a calça. Seu paletó também preto era levado em sua mão. Certamente este não me dará trabalho. Conheço uma pessoa com dom da psiquiatria apenas pelo seu olhar austero.
Estamos agradecidos e com muito calor. — Diz ele na tentativa de adiantar nosso passeio.
Existe uma suíte para cada um de vocês. Podemos nos dirigir ao alojamento e, após um banho vou pedir para que vão individualmente ao meu escritório. Deixarei mapas com o representante para não se perderem. Aqui, qualquer voltinha pode se transformar no pior. Devem estar avisados.
A outra jovem chama-se Luana, tem cabelos loiros lisos até a cintura e também olhos castanhos. O que mais me chama atenção em seu corpo são os seios fartos em contraste com seu corpo magro.
Eu posso ser a representante. — Diz Luana.
Entrego a ela um mapa básico do hospital, marcando a minha sala com um circulo vermelho e não demoro para me retirar. Preciso preparar minha sala para receber cada um deles.

Back to the IslandWhere stories live. Discover now