Capítulo 2

6.8K 702 1.5K

Sem Revisão

Norah

Estou em um lugar lindo, é um jardim com muitas flores, eu sempre gostei das flores. Corro e sinto o vento bater em meu rosto, sinto o gosto da liberdade, é tão bom está livre. Escuto galopes de cavalo atrás de mim, me viro para olhar, meus olhos se abrem em surpresa. O cavalo todo branco, para perto de mim e eu vejo a visão mais linda, um homem lindo, vestido com a sua roupa galante, parece um príncipe, estende suas mãos para mim, eu as pego, ele me ajuda a subir no cavalo e juntos vamos para se reino reino encantado. Ele me salvou, ele me tirou daquele inferno em que eu vivia.

Enquanto o cavalo corria pela relva, o dia foi escurecendo, o céu que estava azul, é tampado
por nuvens negras, o cavalo se desespera, eu me agarro ao príncipe, a nossa frente surge uma cavalo negro e montado em nele, havia um homem também vestido todo de preto, não posso ver ser rosto mas vejo seu sobretudo esvoaçante enquanto o cavalo galopa ao encontro de nós. Ele para a nossa frente, estende seus braços e diz:
— Ela é minha

Acordo de meu sonho assustada, escuto varias estrondos fortes, como se fossem tiros, me sento rapidamente em meu colchão, escuto gritos, meu coração se acelera — O que será que está acontecendo? — me pergunto.
Escuto mais estrondos, eram tiros mesmo, me encolho, escuto choro de mulher. Depois de um tempo os disparam cessam, escuto passos, pessoas subindo e descendo as escadas, começo a escutar um homem falar alto:
— Estou farto dessas piranhas, eu quero algo novo, quero algo diferente Odete.
— Mas senhor Falcon, essas meninas são selecionadas por mim, elas são todas checadas, lindas, todos os dentes perfeitos.
— Estou de saco cheio dessas mulheres artificiais, acabei de matar algumas e tenho certeza que no lugar de sangue saiu silicone.

Fiquei escutando aquela conversa muito assustada, parece que o Senhor Falcon matou alguém, será que é isso? Eu fico muito assustada e ouço a voz do homem falando:
— É melhor você providenciar garotas perfeitas naturalmente, estou indo para Las Vegas, quando retornar, quero comer algo fresco, caso contrário, a próxima a levar uns tiros será você.
— Sim Senhor
— Da um jeito de limpar essa sujeira, não quero a polícia rondando por aqui.
— Sim Senhor

Ouço passos pelo corredor, eles estão indo embora, fico encolhida ali até não ouvir mais os passos. De repente ouço a voz de Madame Remy.
— Voltem para seus quartos, vamos! Todas, todas, o show acabou.

Ela anda apresada, e vai para algum lugar, não faço a mínima ideia das horas, não tenho um relógio mas já não consigo voltar a dormir. Alguma tempo depois, ouço movimentos, algumas pessoas andando pelo corredor, passos nas escadas. Depois de mais ou menos uma hora, toda aquela movimentação para, eu continuo acordada até a hora que ouço alguém destrancando a minha porta e logo em seguida, batendo forte na mesma
— Acorda, está na hora de trabalhar
Me levanto, troco de roupa, pego a minha escova de dentes e vou até o banheiro do corredor, escovo os dentes rapidamente. Amarro os cabelos em um coque, volto para o meu quarto, ajeito as coisa. Agora meu dia irá começar.

Saio dali e vou até o local onde fica todos os produtos de limpeza, arrumo o carrinho e quando já estava pronta para começar, dou de encontro com Madame no corredor, fico surpresa por ela está acordada tão cedo, geralmente ela acorda depois do meio dia. Ela me olha de alto a baixo e diz:
— Irá começar hoje pela suite do Senhor Falcon
— Sim Madame
— Quero que deixe aquela Suite impecável, entendeu?
— Sim Madame
— Agora vá, sua presença me enjoa

Comecei a andar, a suite do Senhor Falcon é no segundo andar, não tem elevador, então tenho que subir com os carrinho pela escada, mas já estou acostumada, faço aquilo todos os dias. Depois que chego em cima, vou direto para a Suite do Todo poderoso, me arrepio, tenho nojo desse homem, sem ao menos conhecê-lo pessoalmente.
Entro na suite e o cenário que vejo lá, me faz ficar branca como papel, para todos os lados que olho há sangue e não é pouco sangue. Começo a chorar, coloco a mão na boca, meu estômago revira — Meu Deus! O que será que aconteceu aqui? — Me pergunto
— O que está esperando para começar?
Ouço a voz de Madame Remy as minhas costas, me volto para ela, as lágrimas não param de descer em meu rosto
— O que aconteceu aqui Madame?
— Não é da sua conta, apenas limpe tudo, não quero ver uma mancha de sangue em lugar nenhum desse quarto, entendido?

Sob o Jugo do Mafioso +18 concluído Leia esta história GRATUITAMENTE!