For every story tagged #WattPride this month, Wattpad will donate $1 to the ILGA
Pen Your Pride

Acabei de ter um sonho onde matava o meu pai e o Liam. Se querem saber, foi um pouco assustador mas nada que não tivesse em mente... O pior foi que consegui salvar o Harry mas ele morreu... Acho que o facto do Harry estar em coma me está a dar cabo da cabeça! Eu não quero perdê-lo. Eu quero que ele volte para mim, são e salvo. Mas isto não vai ficar assim, eu vou vingar-me. O meu pai e o Liam vão pagá-las! Mais o meu pai porque o Liam sem ele é nada. Pergunto-me o que terá acontecido ao pai do Liam... Nunca mais ouvi nada dele... Agora é só Ricardo Santos e Liam Payne que me andam a estragar a vida. Ou tentar... Quer dizer, conseguiram visto que o meu pai disparou contra o rapaz de olhos verdes e cachos cor de chocolate que eu amo.

Eu tenho que inventar um plano qualquer... Eu tenho de vingar o Harry enquanto ele não o pode fazer. Matar o meu pai seria uma ótima ideia. Eu sei que parece doentio mas ele nunca foi meu pai por isso não sei como raio é que ainda uso a palavra 'pai' no meu dicionário... Eu com os meus dois anos amava o  meu pai! Dizia que ele era o meu herói, segundo a minha irmã porque eu não me lembro de muitas coisas quando era pequena. Éramos uma família tão feliz... Eu, a minha mãe, a minha irmã e o meu pai. Eu confesso que estive com a minha irmã dois anos da minha vida porque ela é mais velha que eu 16 anos. Digamos que ambas nós fomos um acidente em percurso... Ela nasceu quando os meus pais tinham 17 anos e depois tiveram-me a mim aos 33 anos. 

Dois anos depois de ter nascido, o meu pai matou a minha mãe. A Alice já tinha 18 anos e então deu de frosques quando o meu pai começou a tratá-la mal. Admito que preferia que ela não tivesse ido embora porque acabei por levar o dobro da pancada... Eu sei, é um pouco mau da minha parte mas eu sou rude portanto... Aos meus 10 anos comecei a fugir de casa e ia para casa da minha irmã mas voltava sempre para casa porque tinha medo de levar mais porrada do que o habitual... Lembro-me de chegar uma vez a casa e ele já lá estava, podre de bêbedo... Bateu-me forte e feio... Foi quando fui parar ao hospital... Tinha apenas 14 anos...

Flasback On 

"A que horas é que te vais embora, Anna?" a minha amiga Marta pergunta-me.

"Antes das nove da noite." respondo com um sorriso. Ela olha para o relógio e arregala os olhos. "O que foi?" pergunto.

"São dez para as dez." ela diz e o meu coração dispara. Já sei o que vai acontecer quando chegar a casa... Levanto-me rapidamente do banco onde estávamos anteriormente sentadas.

"Tenho de ir. Até amanhã." digo e começo a correr para casa sem deixá-la despedir de mim. Eu nem quero imaginar o que me acontecer quando chegar a casa... Rapidamente avisto a enorme mansão a que chamo de casa e entro silenciosamente com a esperança de que ele não dê conta que só cheguei agora...

"Onde andaste, Anna?!" um grito grave soa da cozinha. Nunca é como eu quero! Tem de ser sempre como é pior! Agora vou levar, estás contente ó tu aí em cima?! 

Movo os meus pés para a cozinha, o medo a transbordar o meu corpo. O corpo mais que bêbedo do meu pai está em pé, as suas mãos apoiadas no balcão da cozinha para sustentar o peso do seu corpo, os seus olhos castanhos repletos de raiva fixos em mim e, ao seu lado, uma garrafa de whisky.

"Onde andaste?!" berra e eu estremeço.

"Fui sair..." respondo, a minha voz mais que muito baixa. 

"Onde, caralho?!" berra novamente e eu encolho-me ligeiramente. "Porque é que te estás a encolher? Estou a fazer-te algum mal?!" ele grita. Não, mas vais fazer... "Responde, foda-se!" berra e caminha, desculpem, tropeça até mim e agarra fortemente o meu braço. "Responde!" 

Perfect |H.S|Leia esta história GRATUITAMENTE!