Capítulo 29: A vaca quer brigar

17.7K 956 41

Chegamos na sala atrasados. De novo. E chamamos a atenção de muita gente, inclusive da Izabella, que gesticulava um, "quero conversar com você" para o Vitor que ele ignorou.

Como de costume eu e Vitor sentamos no fundo, só que em um canto isolado. Vitor puxou sua mesa e a grudou com a minha. Ele nunca tinha feito isso com a Izabella. Não sei, mas esse simples gesto me deu mais segurança.

- Como estava programado, hoje vamos ver um documentário sobre as rãs e cobras venenosas. - diz o professor de biologia.

Não acredito que tinha esquecido disso. Mas foda-se, eu nunca olho a programação escolar mesmo.

O professor arrastou a televisão para frente da sala, apagou a luz e fechou as cortinas e a porta.

Não preciso dizer que o documentário era um lixo. Não estava entendendo nada, e lá pelo meio eu já queria era dormir com aquele escurinho reconfortante, ninguém nem ia perceber. Mas parece que Vitor tinha outros planos quando aproximou se de mim.

- Sabe o que eu estou morrendo de vontade de fazer? - pergunta Vitor com os lábios próximos a minha orelha.

- Não faço a menor idéia! - respondo com falsa inocência.

Vitor começa a beijar meu pescoço me fazendo arrepiar. Seus dedos fazendo leves movimentos circulares na pele do meu braço deixando uma trilha de fogo.

- Eu queria muito te beijar - diz ele provocante

Vitor da uma olhada rápida em volta da sala e quando percebeu que por incrível que pareça, todos estavam entretidos com aquela bagaça, puxou meu rosto e me beijou fortemente nos lábios. Mas um forte ao mesmo tempo carinhoso e gentil.

Ficamos nos beijando por um bom tempo. Mas uma hora o documentário tinha que acabar.

O professor acendeu a luz e TODO MUNDO viu a gente se beijando. Aqueles idiotas começaram a fazer "Huuuuummmm" e eu fiquei vermelha de vergonha. Caralho meu! eu nunca fico com vergonha.

A cara da Izabella fechou na hora. Ela ficou vermelha, mas não de vergonha, de raiva. Ela levantou da cadeira e saiu derrubando o que viu pela frente.

- POR QUÊ VOCÊ ESTÁ AGARRANDO MEU NAMORADO?

- Acho que ele não é mais seu namorado, vaca amarela - digo com um sorriso

E ELA VEIO PARA CIMA DE MIM!!! ... Coitada.

Ela mirou a mão para dar um soco no meu rosto, mas pelo visto ela nunca tinha tentado dar um soco em alguém. Segurei a mão dela fechada e apertei até ela ajoelhar no chão de tanta dor.

- Nunca mais ouse ameaçar me dar um soco, ouviu bem? da próxima vez, eu vou apertar sua mão até quebrar todos os seus ossos, e depois farei você engolir seus próprios dedos, entendeu?

Izabella balançou a cabeça em forma afirmativa, mas quando eu saí da sala ela se levantou e murmurou um "isso não vai ficar assim". Ainda bem que não tenho medo de vaca!

AntissocialLeia esta história GRATUITAMENTE!