cap bônus - candle light

2K 225 48
                                    

Oi oi é a autora de novo. 

Eu jurava pra mim mesma que ia parar por aqui, mas aconteceu tantas coisas não é? Meu pitico finalmente saindo do Dream, e o station que me fez chorar e outras e outras coisas. E mesmo depois dessa fic acabando, vocês continuam lendo e deixando comentários legais. 

Parabéns: Eu amo vocês do tamanho do universo. 

Muito muito muito obrigada mesmo. Eu nunca vi tanta gente lendo algo o que eu fiz, o que me deixa estimulada a fazer mais fanfics. Isso significa muito pra mim. 

Ah, eu vim aqui falar duas coisas. 

1- Eu vi isso uma vez e achei legal e queria fazer quando uma fic minha realmente fizesse sucesso. Por favor mandem perguntas nos comentários para os personagens da fanfic responderem! Eu posso fazer até a hyung line responder ou qualquer personagem. Eu irei fazer um cap especialmente pra isso. 

2- Leitores que gostam que uma fic que tem mais ação e suspense, leiam Dream Lab. É uma fanfic minha do NCT também. E é OT18. 

Foi isso, aproveitem o cap bônus! Eu amo muito vocês. 

- Sayu. 

— Tadinho do pobre garoto Mark

Ops! Esta imagem não segue as nossas directrizes de conteúdo. Para continuares a publicar, por favor, remova-a ou carrega uma imagem diferente.

— Tadinho do pobre garoto Mark. Está nessa empresa faz tantos anos e já é um homem crescido, e já enfrentou coisas muito assustadoras, mas ainda depois desse tempo, ele não consegue fazer uma simples ligação!

— CALA A BOCA CHENLE EU TÔ NERVOSO OKAY? 

Mark gritou a ponto de fazer um eco na sala, e os garotos riram. Nunca viram o mais velho tão nervoso em todos esses anos de vida, e o pior, era pra fazer algo tão fácil. "Oh, se é tão fácil, por que os outros não fazem?" Porque era algo que só ele poderia pedir. 

— Por que esse nervosismo todo, hyung? A mãe dele já te conhece, já sabe que vocês namoram, ela não vai te matar ou algo assim. Na verdade, acho que não tinha como não saber. – Disse Jisung. 

— Sei lá, ela ficou sabendo do namoro pela internet, eu nem consegui ir lá e falar "Oi a gente namora" E se ela me odiar por isso? – Mark perguntou. 

— Para de frescura, hyung! Dá essa merda logo. – Renjun pegou o celular do hyung, finalmente ligando para mãe de Donghyuck. Mark deu uma sequência de soquinhos no braço de Renjun e os membros começaram a brincar, deixando Mark mais nervoso. 

— Deixa no viva-voz, eu quero ouvir em caso dela te xingar. – Jeno brincou

— Para! Vai deixar ele mais nervoso ainda! – Jaemin falou.

— Silêncio! Eu vou colocar, calma. – Mark interrompeu, colocando no viva-voz. 

A sala ficou quieta enquanto ouvia o som do telefone chamando. Mark sentiu o coração acelerar ainda mais, pensando no que ia dizer. Não tinha tempo pra pensar em muita coisa, já que ela atendeu bem rápido. 

"Alô?" 

Os membros perceberam a mudança de expressão do Mark, que logo percebeu também os membros e os pediu para que fizessem silêncio novamente. 

— O-Oi tia, não, sogra. Q-Quero dizer, oi! É o Mark. – Mark se embolou nas palavras, fazendo a mulher mais velha rir. 

— Oi, genro. Você quer falar com o Hyuckie, não é? 

— Oh, ela te chamou de genro. - Chenle cutucou Mark, que riu baixo em seguida. 

— Na verdade, eu queria falar com a senhora mesmo. Depois eu falo com ele. – Mark tentou se manter sério. 

— Hm, pode falar.

— É que tipo... Eu sei que ele tá machucado, e q-que não pode fazer muito esforço, não que eu queira que ele faça algum esforço, de jeito nenhum, eu só quero que ele fique bem. Mas tipo... Eu pensei que... Sei lá. Tipo, se ele podia- 

— Quer que eu leve ele aí não é? – A mulher perguntou, percebendo o nervosismo de Mark. 

— I-Isso! Mas tipo, não precisa ser por tanto tempo. É só pra não deixar ele de fora, se você achar melhor ele ficar aí não tem problema. 

— Eu posso levar ele sim. Eu sei o quanto vocês estão com saudade dele, principalmente você. Ele fala muito de você aqui. – Ela disse, e Mark conseguiu ouvir um "Não falo não!" de Donghyuck. Fazendo ele rir. — Toma conta dele, tá bom?

— Okay, eu vou tomar sim. Obrigado por isso.

— De nada, Mark. Depois você me manda uma mensagem pra combinar tudo, tá bom? Logo logo eu levo ele. 

Mark se despediu, desligando a chamada e ouvindo a sala ficar barulhenta novamente. Sentindo a vergonha bater e seu rosto queimar por causa das provocações dos membros. Mas o que importa é que ele tinha conseguido. E também descobriu que a mãe de Donghyuck ainda gostava dele. Então tudo estava certo.

[...]

Mark esperava ansiosamente na porta do dormitório. Estava do lado de dentro, esperando o momento que a mãe de Donghyuck iria chegar com ele. Fazia tanto tempo que não via o seu garoto. Eles faziam chamadas de vídeo muitas vezes, porém não era a mesma coisa que o ver fisicamente, não era a mesma coisa que ouvir a sua voz favorita o provocando pessoalmente. Mark se lembrava com clareza do dia que Donghyuck se machucou, eles estavam ensaiando com todos os membros e aconteceu quando ele estava dançando a sua parte. Os gritos de dor de Donghyuck eram os piores sons que Mark podia ouvir, não saiu de perto dele em segundo algum, só quando ele teve que sair. Mas agora sabia que Donghyuck estava se recuperando bem rápido, provavelmente teria chances dele participar dos primeiros shows da primeira tour que eles teriam com os membros do 127, e isso era bom. Afinal, Mark só queria o ver bem.

Depois de um tempo, Mark conseguiu escutar algumas vozes do lado de fora, e é lógico que ele reconheceu as duas. Não queria parecer que estava ansioso demais, então se afastou um pouco da porta com a intenção de ir direto pra sala ou de ir pro quarto, mas era tarde demais quando escutou o barulho da porta se abrindo, dando de cara com Donghyuck.

— ... Você ia embora sem se importar se eu conseguia ir pra sala sozinho? Eu sei que eu tô de gesso mas ainda é difícil andar nisso aqui.

Mark deixou o sorriso largo escapar, como se milhares de corações tivessem surgido em seus olhos, e foi diretamente até o seu amado.

— Claro que eu não tinha te deixar aqui, eu já tava esperando isso. – Mark selou o mais novo, o segurando pela cintura. — Oi sunshine.

— Credo, tudo isso era saudade é? – Donghyuck estranhou, se apoiando nos ombros de Mark. — Espero que seja porque eu também senti. E quero o máximo de carinho possível.


We Go Up! (nct dream)Onde as histórias ganham vida. Descobre agora