Prólogo

11.6K 743 243

Olá pessoal, mais uma história se inicia.
Para quem já me conhece, já leu outro livro meu, sabe como é minha escrita, aqui não tem mocinho bonzinho, se preparem para muitas emoções. Para quem está chegando agora, seja bem vindo e curta a história. Lembre-se, é apenas uma ficção.

⚠️⚠️⚠️⚠️⚠️🚫🚫🚫🚫🚫🚫⚠️⚠️⚠️⚠️⚠️
AVISO: Se você é sensível a violência sexual, recomendo não ler esse livro

Se você é menor que 18 anos, esse livro não é recomendado para você.

Os meus livros não são revisados

Capítulos todos os dias

Enjoy!

Sem revisão

Nova York

— Papai, papai
Norah corria em direção ao pai que acabara de entrar em casa, ela estava sorrindo mas logo o sorriso morreu em seus lábios infantil.
— Sai de perto de mim garota — ele fala com a voz pastosa, cambaleando, estava completamente bêbado. A pequena Norah para no meio da sala, ela
fica olhando para o pai naquela situação.

Ele passa por ela e para, volta e a olha
— Como você é parecida com ela
Ele não conseguiu manter as pernas, acabou caindo no chão aos pés de Norah e continuou falando com voz chorosa
— Por que você não morreu junto com ela? Não posso olhar para você, sai daqui sua pirralha.
As lágrimas no pequeno rosto da menina de apenas 9 anos, descem solta, Sua babá que cuida dela desde que nasceu, aproxima-se e a segura
— Vamos pequena

Ela a levou para os quarto, a pequena Norah não parava de chorar.
— Acalme-se!
— Por que ele não gosta de mim Nana?
— Ele só está sofrendo, você é muito parecida com a sua falecida mãe
— Como ela era?
— Um anjo, olhos azuis e cabelos loiros como os seus. Cantava lindamente. Ela sempre cantava para você quando estava em seu ventre

A menina baixou a cabeça tristemente e disse:
— Foi minha culpa ela ter morrido
Nana levantou sua cabeça e a olhando nos olhos disse:
— Nunca diga isso, essas são coisas que acontecem na vida, ninguém tem culpa
— Mas papai pensa que eu tenho
— Não é verdade, ele apenas ainda não aceitou a morte dela e acaba se entregando a bebida e fala essas coisas, mas as vezes que ele está sóbrio ele é um bom pai
— São poucas vezes que isso acontece
— Vem cá, a Nana está aqui é cuidará de você sempre
Nana a abraçou forte e a menina deu vazão as lágrimas.

Um ano depois

Norah estava a mesa com o pai  jantando, essas eram uma das poucas vezes que ele estava sóbrio.
— Como foi a escola hoje? — O pai lhe perguntou
— Agradável
O silêncio voltou a reinar, só escutava-se o barulhos dos garfos contra a louça, então o pai suspirou forte e disse:
— Tenho um comunicado a lhe fazer
Norah olha em direção ao pai, acha estranho ele lhe comunicar alguma coisa pois nunca o fez
— O que é papai? — Ela perguntou de maneira polida
— Eu vou me casar de novo
O choque foi tão grande, que os olhos de Norah ficaram arregalados, ela olha para seu pai sem acreditar
— Sei que te peguei de surpresa, mas eu e Odete já estamos com a data marcada, será daqui a um mês.
— Eu-eu- não sei o que pensar
— Não pense em nada, apenas aceite, ela vira amanhã com as filhas para te conhecer, seja gentil e educada como uma lady deve ser.
— Sim Senhor
— Agora vamos terminar nosso jantar, amanhã use um vestido bonito para receber a minha futura esposa e suas futuras irmãs
— Sim senhor

Sob o Jugo do Mafioso +18 concluído Leia esta história GRATUITAMENTE!