- O Entardecer dos Justos -

Começar do início

Fingia estar distante, vivendo ainda nas colônias de Valahad, o reino batizado com o nome da Deusa da Mente, e via dentro de seu mundo imaginativo todas as faces com quem mantivera contato durante aquelas Eras: os Feiticeiros, Feiticeiras, e os responsáveis por lhe ensinar tudo o que sabia, deixando-a livre para descobrir mais; os Filhos da Chimera que lhe foram bons, os Filhos de Elementais capazes de construírem bons e duradouros laços. Amaldiçoava o momento em que fora trazida para Asgaha, que escolhera estar ali e não em outro lugar, seguindo um caminho oposto ao de todos de sua raça, desistindo de ir à procura de novos conhecimentos, ou de viver introspectiva dentro da Pirâmide Invertida.

Havia dedicado um terço de sua existência para acompanhar os passos de uma Rainha que deixara um mundo para trás, e ela à mercê de quem se julgava competente o suficiente para apontar suas falhas – e encontrar uma sentença que a afastasse de uma vez por todas da coroa real.

—... Uma patrulha encontrou dois Selos de Magia com utilização proibida desde a Era dos Selos em Uthophya...

"Patético", ela pensou, exausta de ouvir a ladainha daquele Filho da Chimera. A voz macia vinda dele não a enganava, sabia que por trás daquela máscara uma angústia se revelava.

—... Um no teto, outro no chão da casa do réu. Enviamos os desenhos dos Selos à Valahad, as raposas mensageiras nos trouxeram o pergaminho de resposta... – prosseguiu o homem, desenrolando uma carta de papel violeta, lendo-a eloquente. – "Aos cuidados do Conselho Real. Abominamos o uso de tais Selos descritos em carta pelo Conselheiro da Rainha, uma vez que os mesmos são classificados como proibidos, sendo censurada a veiculação, transcrição e repercussão destes entre a comunidade de Feiticeiros. Encaminho, junto a esta mensagem, cópias das páginas 1789 e 1790 do Livro das Estrelas Caídas, contendo dados a respeito de tais Selos e de como proceder para apagá-los. Encarecidamente, Lorde Vacuum".

A mulher girou os olhos, entojada, voltando a olhar para a plateia. Nas arquibancadas, intrometidos de todas as partes dos vilarejos comiam cascas de amêndoas e tomavam suco de alguma fruta pegajosa e verde, até crianças partilhavam do que devia ser o evento mais comentado dos últimos dias. Na mesa do Conselho, os sacerdotes estavam atentos, alguns apoiando o queixo nas mãos, outros de braços cruzados para trazer astúcia aos rostos cheios de rugas.

— Linha 300, página 1789 – Exibindo as folhas que marcavam os desenhos dos Selos, com tinta seca e de cor preta, ele continuou. – "Selo de Invocação Abissal, formalmente conhecido como Selo das Estações, seu uso foi contido devido a carga de poder climático gerado, ocasionando frequentes instabilidades nos Ciclos. A criação deste Selo surgiu da necessidade de conter tempestades, monções e manifestações gerais da natureza que fogem do controle dos Filhos da Chimera, mas a banalização de suas funções passou a existir ao ser descoberto que um de seus traços, se invertido, pode criar comunicação com as Velhas Estrelas. Um Selo substituto foi criado e este passou a ser classificado como proibido, ocasionando a expulsão do Feiticeiro que utilizá-lo indevidamente ou sem qualquer autorização". E na linha 350, página...

— Faça-me rir – interrompendo-o, a mulher se aproveitou da brecha. – As pessoas não precisam aprender a respeito disso e eu, cá entre nós, já estou farta de saber para que cada Selo serve, sendo proibido, ou de utilização livre. Volto a afirmar que não sou responsável pelo desenho dos Selos em minha residência. Talvez devesse olhar embaixo da própria cama para ver se não encontra o grifauro que os desenhou... – Sarcástica, ela piscou para o homem. –... Pandros.

— Calem-na! – O Conselheiro ordenou, deixando a carta sobre o apoio do palanque, andando até a Feiticeira.

Dois guardas a cercaram, um segurou seu pescoço, o outro a amordaçou. Preferiu não resistir, deixando-os fazer aquilo pelo que eram pagos. Pandros se aproximou, abaixando-se, as íris púrpuras estáticas em seu olhar:

A Bolsa de Contos de NavíWhere stories live. Discover now