Prólogo

152 9 30

PRÓLOGO

Ops! Esta imagem não segue as nossas directrizes de conteúdo. Para continuares a publicar, por favor, remova-a ou carrega uma imagem diferente.

PRÓLOGO

Segundo a previsão do tempo naquela semana os dias seriam claros e ensolarados na cidade de Blue Lake Hills.

Um dia comum, na cidadezinha de Bonita Springs, um nome tão bonito quanto as paisagens locais, com árvores em todos os cantos, casas antigas, cheiro de mar e principalmente tranquilidade.

Tranquilidade que faltou naquele final de tarde, - uma nuvem escura se formou de repente sobre um dos bairros mais antigos, Yellow Rose.

Granizos e trovões assustaram os poucos pedestres que andavam nas ruas, e a ventania jogou areia em várias direções, por toda a orla, afastando também os moradores que correram para algum abrigo.

O clima quase tropical de Blue Lake atraia muitos turistas, mas fora a época de temporada a cidade ficava quase vazia.

O turismo não era a única fonte de renda, mesmo na entressafra de visitas, o bairro de Yellow Rose, um dos mais conhecidos, ainda atraia atenção.

Inaugurado no começo do século XIX, Yellow Rose era famoso pelo cultivo de rosas amarelas, e no começo do século tornou-se um polo econômico e cultural de Bonita, devido a colheita das flores.

Muitas famílias se mudaram, plantando e comercializando as lindas rosas.

Com a chegada da Segunda Guerra Mundial os moradores caíram em tristeza e a produção das flores foram deixadas de lado. Com a queda das vendas muitos moradores abandonaram a região. Nos dias de hoje, a maior renda é o turismo, principalmente atraídos pela beleza dos antigos chalés que resistiram ao tempo.

Local perfeito para quem procura tranquilidade ou para construir uma nova vida, longe das loucuras e agitação da cidade grande.

Pelo menos foi essa a intenção de Liana, que se mudou para um confortável chalé há pouco mais de seis meses.

Sossego era o que mais procurava, aos 34 anos de idade tinha toda uma história de lutas e perdas, e ficar longe de uma rotina estressante da mega metrópole era o que mais precisa naquele momento.

Não se considerava uma pessoa diferente, especial. Muito pelo contrário. Fisicamente era bem diferente de seu irmão Tye, baixinha e morena. Nunca imaginava que em alto dos seus um um metro e sessenta e dois tivesse problema.

Enfrentou desafios ao decidir seguir a profissão de segurança no hospital local, seguiria as ordens de seu irmão, era considerada baixinha demais para tal, onde a maioria eram homens truculentos; - e ainda tinha a desvantagem de ter o irmão como chefe. Nada fácil para começar.

Teve que ouvir piadinhas dos colegas no hospital, mas com o tempo e mostrando-se capaz o ciúme e o preconceito foram substituídos por respeito.

No final do dia, Liana voltava para casa, exausta. Não via a hora de tirar as botas apertadas e sentar no sofá confortável e tomar uma xícara de chá.

Estrada para Yellow Rose - LianaWhere stories live. Discover now