Capítulo Dois

4.2K 697 297

Castiel Almeida

Olho para todas as minhas coisas já embaladas e em caixas e solto um suspiro. Nunca pensei que acabaria indo embora dessa cidade. Sei que essa é uma oportunidade incrível tanto para mim, quanto para meu filho, mas bate uma tristeza de deixar tudo para trás... principalmente meu Ângelo. Aquele garoto é meu irmãozinho e vai doer ficar longe dele, mas vou tentar me acostumar a isso.

- Pode tirar essa cara de velório do rosto Angie. - Falo assim que chego perto de Ângelo e ouço ele soltar um suspiro.

- Não posso, isso está sendo um velório para mim. - Fala fazendo drama e eu sorrio.

- Drama não combina com você Angie. Mas confesso que vou sentir falta da metralhadora que é você. - Falo e ele me olha confuso.

- Metralhadora? Eu? Como assim? Tá me xingando Cas? - Ele estreita os olhos para mim e solto uma gargalhada.

- Estou falando que você fala demais. - Respondo rindo.

- Ah tá, mas que culpa eu tenho se gosto de interagir com as pessoas? Vocês que falam de menos, por isso não acompanham meu ritmo. - Fala ele com ar de superior.

- Eu sei meu anjinho, vou sentir sua falta. - Falo e abraço ele, o apertando em meus braços.

- Também vou sentir muito a sua, mas espero que tudo dê certo nessa sua nova jornada. Quem sabe você não encontra um cara legal, que te dê valor. - Ele diz e eu me afasto dele, balançando minha cabeça em negação.

- Você sabe que não Angie, eu sei que nem todos são iguais ao Alan, mas eu simplesmente não consigo. - Falo sincero.

- Você acha que não consegue, mas quando encontrar o homem certo, isso vai mudar. - Fala ele convicto.

- A única coisa que me importa é meu filho, que é a razão por eu estar indo embora. Quero dar uma vida boa a ele e se eu conseguir isso, já estou realizado. - Falo sincero e ele sorri para mim.

- Quando eu tiver um filho, eu espero ser um pai igual a você. Tenho certeza de que Evan, terá muito orgulho de você no futuro. Na verdade, aquele bebê morre de orgulho do papa dele. - Fala sorrindo e sinto meus olhos marejados.

- Isso é tudo o que eu mais quero. Acho que mesmo passando pela humilhação e sofrimento que passei, faria tudo novamente para ter meu filho comigo. Ele é a minha razão de existir, ele é tudo para mim. - Falo com a voz embargada de emoção.

- Eu te amo meu maninho ruivo, vou morrer de saudades. Não deixe de me ligar um dia sequer. - Ele fala baixo e me abraça novamente.

- Eu também te amo muito, irmãozinho mais novo. E pode deixar que irei te ligar todos os dias e quando der irei vir te visitar. - Falo meio abafado por estar com a boca próxima ao seu pescoço.

Assim que se afasta de mim, Ângelo vai até Evan que está nos braços da minha avó.

- Ei meu amor, titio vai sentir tanta falta de você meu foguinho. - Ele diz e meu filho solta uma risada gostosa quando Angie começa a distribuir beijos por seu rostinho.

- Não chame meu filho assim. - Falo fingindo indignação.

- Nem vem, ele sempre será meu foguinho. Olha esses cabelos de fogo como são lindos. - Fala ele fazendo graça e bagunça os cabelos de Evan.

- Ti' Angi! - Evan fala alegre e eu quase me derreto com tanta fofura.

- Sim amor, tio Angie. Titio te ama! - Ângelo diz sorrindo e deixa um beijo na bochecha gordinha do meu pequeno.

Cowboy Indomável (Mpreg) - Duologia "Indomável" - Livro 02Onde as histórias ganham vida. Descobre agora