Capítulo 36

7.2K 881 515

As salas brancas pareciam um borrão enquanto Louis era levado pelo interminável corredor que o levaria a sua mãe.

“Leve o tempo que quiser, e se você precisar de alguma coisa basta pressionar o botão de chamada.” Uma enfermeira loira amigável disse a Louis, uma vez que estava fora do quarto. Ela lhe deu um sorriso tranquilizador e um aperto em seu ombro ileso, deixando-o sozinho.

Ele colocou a mão trêmula na maçaneta da porta, logo se sentindo tonto e ofegante ao entrar o quarto privado da mãe.

Nada poderia tê-lo preparado para o que o encontrou.

Jay estava deitada feito pedra, o rosto drenado de toda a cor, deixando-a em um tom de pele branco fanstamagórico. O olhar era murcho, magra demais para já ter sido considerada saudável. Havia vários fios ligados por todo o corpo que levava a várias máquinas.

O coração de Louis caiu quando seus olhos pousaram sobre o tubo em sua garganta.

Jesus, ela não é nem mesmo capaz de respirar por conta própria.

Sentia-se fisicamente doente. Ele travou o olhar no humano.

Os médicos lhe disseram que ela estava melhorando, mas como isso poderia ser possível quando ela já parecia... Morta.

“Mãe?”

Este saiu com um soluço quebrado e Louis levou à mão aos lábios para conter o grito que queria desesperadamente se libertar de seus lábios.

Mas ele os empurrou de volta; sua mãe precisava dele para ser forte.

Ele puxou a cadeira do quarto ao lado da cama de Jay e sentou-se, agarrando a pequena e frágil mão de sua mãe.

“Oi, mãe.” Ele sussurrou para ela, não era capaz de fazer sua voz sair mais alta. “Desculpe-me por não ter vindo até agora. Isso não é desculpa, mas eu tenho lidado com algumas coisas...”

Ele fez uma pausa, respirando fundo, na esperança de acalmar seu coração acelerado.

“Mas eu quero que você saiba que eu não te culpo pelo que aconteceu. Então eu não quero que você ache isso, ok?”

Louis levou o polegar e correu pequenos círculos na palma da sua mãe.

“Jason está fora de nossas vidas agora, para sempre. E você pode agradecer a Harry por isso.”

Ele sorri, seus olhos brilhando ao falar dele.

“Eu não sei se você lembra dele, mas você realmente gostaria dele. Ele tem cabelos encaracolados que é sempre tão macio, e os olhos que sempre me lembram do tempo de primavera, porque eles são tão verdes.”

Ele sorri mais enquanto continuar a relatar sobre Harry.

“E ele é a pessoa mais doce que eu já conheci. Sempre me trata bem e tem certeza de que estou seguro. Ele... Ele realmente me salvou mãe. Sabe quando você voltou da África e eu estava uma bagunça? Você me disse que um dia eu iria encontrar alguém que não apenas consertaria meu coração partido, mas se tornaria uma parte dele. Eu... Eu acho que eu encontrei essa pessoa, mãe.”

Ele fez uma pausa novamente, seus olhos olhando para cima para ver os olhos fechados de sua mãe.

“Eu amo ele.”

-x-

“Niall”, Anne falou no pequeno alto-falante em cima dela, ela tinha a voz calma, apesar da onda de medo que estava sentindo. “O que há de errado com Harry?”

Sua voz veio invadindo a linha. “Eu não sei. Ele simplesmente entrou em pânico e, em seguida, vomitou e ele disse que está bem, mas eu sei que ele não está e agora ele está tomando banho, mas algo está errado com ele.”

More Than Meets The EyeWhere stories live. Discover now