O Torneio das Arenas & Um Pelk

38 3 0
                                                  

- CAPÍTULO 6 -

          Leroy saiu da sala para fazer qualquer coisa que magos adultos fazem. Quando atravessou a parede de tijolos, a Família Campbell ficou sozinha no salão da Sociedade dos Magos e, num raro momento, fez-se silêncio.

          Quer dizer, silêncio é muito raro quando se tem um Jacob por perto. Assim, como já era de se esperar, foi ele que falou primeiro:

          — Nós vamos para o Torneio das Arenas!

          Eu ainda assistia a tudo em silêncio, mesmo sem fazer ideia do que "Torneio das Arenas" se tratava. Esperava, de todo o coração, que fosse algum tipo de restaurante fino do mundo mágico com uma longa fila de espera para uma reserva. Sim, isso explicaria a parte do "escreva o nome da Família Campbell na lista". E não parecia mesmo ter nenhuma conexão com torneios daqueles ferozes e vorazes, já que o clima no salão estava suave e calmo, não tenso como era de se esperar caso alguma competição estivesse envolvida.

          Sim, a ideia de um restaurante mágico era bem agradável.

          De repente, Gale falou:

          — Estou louca para descer a mão em alguns caras.

          Esquece, era um torneio mesmo. Aparentemente, um com muita pancadaria envolvida, o que me fez estremecer. Eu até podia participar de uma competição, mas preferia que fosse algo calmo e sem muita ação, tipo xadrez.

          Sem conseguir mais aguentar essa curiosidade, perguntei:

          — Bem, o que exatamente é esse Torneio das Arenas?

          Jacob virou-se para mim rápido feito um trovão, com um sorriso animado. Estava claro que ele queria muito que eu fizesse aquela pergunta.

          — Sabe uma sensação de serenidade completa, de paz interior preenchendo seu corpo, de harmonia perfeita entre mente e alma? Sabe o porto seguro de seu cérebro, o lugar que você sempre foge em seus pensamentos mais profundos? — começou ele.

          — Sei, sim — falei, estranhando o fato de Jacob estar sendo poético, mas muito feliz com o fato do Torneio das Arenas parecer uma coisa tranquila agora.

          — O Torneio é o completo oposto disso!

          Ah...

          Sem notar minha carranca de irritação, Jacob continuou, parecendo mais animado do que nunca. Eu quase podia ouvir seu cérebro fervendo dentro de seu crânio, pulando como um grão de milho numa panela de tanta agitação. Ele dizia:

          — Uma vala, o aparente fim do mundo, o limiar entre a sanidade e toda a escuridão do desconhecido insano! Isso é o Torneio das Arenas.

          — Só uma pergunta sobre esse seu novo jeito de falar — intrometeu-se Cecyl. — Você anda lendo Edgar Allan Poe? Eu não acho que está fazendo bem para seu cérebro. Palavras complicadas demais.

          Jacob olhou para a garota, pensando. Distraidamente, deixou a boca aberta e esqueceu de fechá-la. Eu esperava que ele começasse a babar e ficar gaguejando como um retardado mental, mas ele decidiu fazer algo pior:

          — Pou? Aquele aplicativo?

          Cecyl se limitou a olhar para baixo e continuar a massagear a cabeça de Gale, evitando levantar o olhar para não se encontrar com os olhes de peixe morto de Jacob.

Sociedade dos MagosWhere stories live. Discover now