Premonição

11 0 0

Ele estava suado, cansado, machucado. Apenas a sua calça jeans de tecido muito acima do padrão estava te fazendo de vestes.

Seu corpo forte, bem desenhado e claramente definido, estava com suas marcas e cicatrizes expostas devido a intensa luta que estava travando, sozinho.

A sua frente, milhares de homens e mulheres, alguns seres da natureza como silfos, duendes, gnomos, homens-verde, anjos de baixo nível, sereias que não possuíam rabo de peixe, lobos, lobisomens, vampiros, ondinas e outros.

A frente, uma garota de aspecto forte, cabelos compridos, olhos castanhos, roupas não de marca como uma jaqueta e uma blusinha por baixo, uma calça claramente masculina e leve, segurando uma espada longa com destreza com suas mãos feridas e um pouco trêmulas.

- Você não vai escapar! - gritava ela para homem de bela face.

- Podem vir todos quantas vezes quiserem. Não vão conseguir me matar - respondeu ele com um sorriso irônico que logo irritou a garota - não importa quem esteja ao seu lado - falou ele apontando para um garoto de óculos trincado, corpo de lobo preto, e asas de anjo que se apoiava no chão de grama negra.

A aura que o garoto exalava para todos ao seu lado, iam curando lentamente a ferida de todos e devolvendo-lhes a vitalidade aos poucos.

Ao lado dele, o seu fiel amigo e companheiro, que era uma mistura de vários outros seres. Nele havia chifres de demônios mas uma asa de anjo e outra de ser obscuro, tudo claramente em equilíbrio, enquanto ele ficava imóvel e em posição de combate para defender uma das pessoas q ele mais amava na vida.

- Não vou abaixar a guarda pai, pode ficar tranquilo - falou o jovem para o garoto-lobo.

- Obrigado meu filho... - falou ele com voz falhada e arfando, tentando respirar fundo, enquanto seu corpo, lentamente e discretamente, ia se ferindo.

- Não falem besteiras, não vou perder no meu próprio jogo - exclamou ele nervoso pela insistência de todos e concluiu - e se isso acontecer, eu levo todos comigo... Um por um.

- Que assim seja então! - gritou a garota para ele, segurando firmemente a sua espada e apontando para ele - para mim, contanto que eu leve você para um lugar de onde nunca mais volte... Não me importo com nada mais!

Um arrepio percorreu a nuca, descendo pela sua espinha e ele arregalou os olhos.

***

Agora abertos, olhando o teto branco com uma baixa iluminação na luminária de teto de alto padrão.

O homem acordou em sua cama, se levantou e sentou em sua cama box e olhou para o lado da grande janela e parapeito de seu apartamento.

Ainda era noite e seu coração batia forte.

"Foi apenas um sonho... Apenas um dos péssimos sonhos deste mundo cinza"

Contos de Um Lobo na Cidade - Vol. 4 - Os Mundos e Seus Seres ~Vivos~Read this story for FREE!