12. Bondage

11.5K 1.3K 3K

Bicho, eu amei os comentários do capítulo passado! Vocês são incríveis, continuem assim (: E se não for pedir muito, façam aquele esqueminha de compartilhar a citação da história no twitter? É pra ajudar na divulgação desta pobre ficwritter flopada. Sejam bonzinhos :>

-----------------------------------

Jungkook acordou com uma forte dor no estômago. Vazio era o que estava sentindo naquele momento. O ácido em seu estômago o corroía, já que nos três dias inteiros de cio, mal havia se alimentado. Quando ele e Jimin finalmente paravam para comer alguma coisa, ou até para beber água, a comida acabava sendo abandonada pela metade, já que seus corpos entravam em combustão, quase que literalmente, com o calor da febre subindo e os membros ficando eretos. O cio era o momento de acasalamento e apenas isso, de modo que ignorava a fome, a dor, a sede, e qualquer outro tipo de necessidade biológica, apenas para se saciar. Mas todo o descaso era sentido ao fim do período. O corpo inteiro doía, ficava mole e fraco.

O ruivo então abriu os olhos, procurando por Jimin, e fitou surpreso, o alfa dormindo abraçado a si, com suas pernas entrelaçadas nas suas. Com muito cuidado, foi afastando os braços e o corpo todo de Jimin do seu, para que pudesse sair da cama. Quando finalmente conseguiu levantar-se, sem acordar o lúpus, observou o quarto. Parecia que um furacão havia passado por ali. Sua escrivaninha estava torta e muitos de seus livros jogados no chão. Os travesseiros estavam todos rasgados, com penas ainda flutuando no ar, e outras milhares espalhadas pelo chão. Em que momento haviam rasgado os travesseiros? Travesseiros de penas eram caros! Jungkook certamente não era nenhum sujeito bem de vida, pra se dar ao luxo de rasgar travesseiros de pena. E agora, dormiria com a cabeça em cima de que? Do próprio braço, certamente. Era o que restava. Comprar travesseiros novos, estava fora de cogitação pro seu limitado orçamento.

Saiu do quarto silenciosamente, andando pelo corredor e notando alguns quadros tortos na parede. Um flash dele e de Jimin se beijando e se tocando com urgência, esbarrando em todos as paredes do corredor, e consequentemente bagunçando os quadros, passou por sua mente. Franziu o cenho, um pouco preocupado, mas ao mesmo tempo admirado. Tinham fodido tão intensamente, como nunca havia feito antes. As memórias todas ainda estavam falhas, mas estavam vindo aos poucos, à medida em que seu cérebro ia lentamente acordando.

Desviou de um porta-retratos quebrado no chão, para que não se cortasse com o vidro, e entrou no banheiro. Mas o que viu ali fê-lo arregalar os olhos, em espanto e descrença. O vaso sanitário estava quebrado, caído de lado, com o buraco no chão aberto. Lembrou-se de ter apoiado um dos pés nele, enquanto Jimin o fodia no chuveiro. Viu a pia, também quebrada, com vários de seus remédios e cosméticos jogados no chão. Bateu com a mão na testa, se amaldiçoando. Como usaria o maldito banheiro agora?

Acabou tendo que se aliviar no chuveiro, aproveitando para tomar um rápido banho. Enquanto se lavava, sentiu sua entrada arder, dolorida. Não se recordava de ter tido um cio tão brutal antes, com ninguém. Logo entendeu que metade daquilo, devia-se ao fato de Jimin ser um Alfa Lúpus, cujos ruts eram absurdamente vorazes. Basicamente, se a função de um lúpus era procriar e liderar, ele o faria com louvor. E talvez, apenas talvez, parte da culpa fosse sua, já que lembrava-se nitidamente de ter provocado Jimin, com o intuito de vê-lo mais instigado. Bom, ele tinha conseguido. Mas o resultado disso, fora a destruição parcial de sua casa, e sua entrada tão ardida, que teve de procurar um comprimido para dor, em meio aos frasquinhos caídos no chão do banheiro.

Já não foi surpresa nenhuma, quando chegou na sala e deparou-se com a cortina da janela rasgada, o trilho caído no chão, a estante de livros e enfeites com algumas prateleiras quebradas, e sobre a cozinha então, nem se era necessário tecer comentários. Apenas pensava em como prepararia um café da manhã, se todos os copos e pratos estavam espatifados no chão. Sequer dava pra chegar perto da pia. Bufou. Como diabos pagaria pelo conserto de tudo aquilo?

INCANDESCENTE | jikook • Abo • bdsmLeia esta história GRATUITAMENTE!