Março, 2017. IV.

213 39 30

Vocês acharam que Amanda é a única personagem que não tem um passado para contar? Então estavam enganadíssimos.

Esse é um lado da nossa professorinha que talvez vocês estejam conhecendo só agora, mas que é muito importante para entender o desenvolvimento da personagem.

Espero que gostem!
Comentem!!!!
~~~~~~~~~~~~~~

    Amanda sentia-se extremamente sozinha na maior parte do tempo. Por mais que passasse manhãs e tardes inteiras ao lado de vários adolescentes, ao abrir a porta de seu pequeno apartamento, sentia falta de ter alguém para conversar. Saíra de casa assim que terminou o Ensino Médio para fazer faculdade e não voltou mais. Mantinha contato com a família por ligações e chamadas de vídeo e, vez ou outra, era visitada por eles. Mas nunca mais voltou para a antiga cidade. Tanto por causa da faculdade, que vivia enchendo-a de coisas para fazer, quanto porque simplesmente não fazia a mínima questão de voltar.

    Sentia que a pior parte de viver sozinha era chegar em casa e dar de cara com o mais absoluto silêncio. A pior parte era chegar e ser abraçada, no máximo, pelo vento que entrava pela janela que havia esquecido de fechar antes de sair.

    Saíra de casa aos dezessete anos, logo que formou-se no Ensino Médio, pois sabia que na cidade natal não conseguiria grandes oportunidades, tanto de faculdade quanto de emprego. Sonhava desde pequena com o dia em que ganharia para ensinar, mas apenas no segundo ano foi que se deu conta de que sua paixão maior era História. Era nisso que Amanda era realmente boa.

    Despediu-se de seus pais e, ao lado de Ana Clara, sua melhor amiga, entrou no ônibus que Amanda acreditava que a levaria diretamente para a melhor época de sua vida. Afinal, nada poderia dar errado. Estava fazendo o curso que tanto amava, ao lado daquela que era sua melhor amiga há anos, na faculdade dos sonhos de todo jovem. Morariam juntos, sairiam todo final de semana e deixariam a vida de solteira de lado.

    Pelo menos esse era o plano.

    De fato, poderia dizer que tinha vivido momentos que levaria para o resto de sua vida, mas não foi tão fácil assim. Para começar, descobriu que a vida na faculdade podia muito facilmente ser catastrófica. Perdera as contas de quantas noites passou sem dormir para terminar algum trabalho importante ou estudar para alguma prova. Depois, descobriu que talvez ela e Ana Clara não fossem tão parecidas assim. Enquanto uma precisava do mais absoluto silêncio para conseguir se concentrar nos estudos, a outra só aprendia algo se pudesse colocar uma música no mais alto volume. Demorou um tempo – e longas discussões – para entenderem que era tudo uma questão de aprenderem a usar fones de ouvido. Por último, descobriram que tinham gostos para comida completamente diferentes e viviam reclamando do tempero da outra.

    Precisaram se adaptar a morarem juntas.

    Viveram entre tapas e abraços por quase seis anos, quando finalmente chegaram à conclusão de que ambas já tinham dinheiro para se sustentarem sozinhas, pagando suas próprias contas cada uma, morando em apartamentos diferentes e, claro, podendo fazer sua própria comida, sem precisarem ouvir reclamações sobre a quantidade e sal na carne.

    Ainda assim, mesmo sete anos depois de decidirem seguir a vida cada uma por si, eram grandes amigas e esforçavam-se para regar diariamente e manterem a mesma amizade dos bons e velhos tempos. Encontravam-se pessoalmente sempre que arrumavam uma hora vaga na loucura da vida adulta e trocavam mensagens durante o dia sempre que tinham algo novo para contar.

    "Hoje foi o último dia do primeiro mês de testes no Colégio CPW e me veio um momento um tanto estranho: você no primeiro trimestre do terceiro ano chorando com medo da reação dos seus pais quando descobrissem sobre o teste de Literatura que você tinha ido muito mal e eu desesperada por causa da minha nota no de Física. Nosso maior medo na época era reprovar no último ano e ter que fazer tudo de novo, lembra? O mais estranho é que eu não me recordava desse momento há tempos. Saudades, irmã. Precisamos nos encontrar", Amanda digitou rapidamente e enviou logo em seguida.

Clube dos 7 ErrosLeia esta história GRATUITAMENTE!