Capítulo 1 - A mudança

250 4 5
                                    


Termino de embalar mais uma caixa. Eu a fecho e selo com fita. Pego meu canetão preto e escrevo na lateral "discos e lembranças". 

Ainda não acredito que isso tudo aconteceu mesmo.

Subo no banquinho e me estico para pegar os últimos livros totalmente perdida em pensamentos. 

Tiro o ultimo livro da estante e o viro para ver sua capa "O Pequeno Príncipe". Lágrimas rolam involuntariamente pelo meu rosto e as seco imediatamente -Chega de chorar. Eles não gostariam de me ver assim triste.

Mas não posso conter a memória de quando eu era pequena, sentada no colo da mamãe enquanto ela lia "O Pequeno Príncipe" para mim. Uma lembrança que aos olhos de muitos parece fútil, a aos meus olhos, uma das mais preciosas.

Me curvo e coloco o último livro da minha mala e a fecho com um pouco de esforço. Eu preciso ir pra longe daqui, longe das más lembranças. Mamãe, Papai e Jhony não gostariam que eu ficasse aqui em casa sofrendo e empacasse a minha vida. 

Chamo o taxi e espero. Não estou levando lá muita coisa. Uma mala grande, uma média, três malas pequenas e minha bolça. Coisas que caberiam num porta malas de um carro particular. Não quero levar tudo, muito pelo contrário. Contratei uma caseira para cuidar de tudo e expliquei a situação.

Até que estou me virando bem para quem acabou de perder os pais e o irmão mais velho.

Ouço uma buzina e olho pela janela. O taxi chegou.

Desço as escadas e converso sobre a bagagem com o motorista, ele concorda que eu leve as coisas e se oferece para ajudar a carregar tudo. Aceito a ajuda já que não sou lá um exemplo fit.

Eu e o taxista que disse se chamar Caio terminamos o serviço muito rápido e de lá partimos para o aeroporto. 

Lá Caio também me ajudou a descarregar e a colocar tudo num carrinho. Agradeci e dei uma gorjeta a ele que foi embora quase saltitante. Sorri em ver a felicidade do homem e então entrei no Aeroporto.

Ainda faltava uns minutos para o meu voo. Decidi comprar um lanche e um suco enquanto esperava. Lembrei de uma brincadeira que eu e Jhony adorávamos, ficávamos olhando as pessoas que passavam e tentávamos pensar no que elas estavam pensando ou fazendo para se vestir da forma que estavam. 

O que será que ele diria sobre como estou vestida?

Olhei para baixo, uma calça jeans rasgada, uma regata branca, colares, tênis e uma jaqueta. Tentei imaginar sua voz nos meus pensamentos "Olha só pra você, como está sem graça e ao mesmo tempo bonita, daquele tipo que se arruma pensando "Não quero chamar a atenção, mas se alguém me notar, quero que me ache incrível", pensa que eu não te conheço Carrie"

Esboço um sorriso triste mas a som da chamada de voo me chama a atenção. É o meu voo.

Ergo a cabeço e subo as escadas rolantes indo a porta de embarque indicada. Já tem outros passageiros na fila. Fico no meu lugar e espero.

Abro a bolsa e tiro meu passaporte junto com a minha passagem. Agora é só esperar. Algumas poucas horas e já estarei em outra cidade, longe dos problemas locais.


Ops! Esta imagem não segue as nossas directrizes de conteúdo. Para continuares a publicar, por favor, remova-a ou carrega uma imagem diferente.


A FraternidadeOnde as histórias ganham vida. Descobre agora