Capítulo 27 - Antídoto | Parte 01

539 87 93

Como um lobo havia entrado naquele trem... principalmente na nossa cabine? Entre tantas coisas que eu poderia estar pensando - em como escapar daquela situação, por exemplo - era naquilo que minha mente se concentrava. Além de me questionar como ele havia sido tão silencioso a ponto de não percebermos sua presença. Infelizmente aquela não era hora de pensar em "porquês" nem em "como", mas sim em "o que"... O que eu faria para me defender se meus braços estavam paralisados... Eu sabia que a mochila com minhas armas não estava muito longe, precisava apenas me esticar um pouco para trás e talvez eu ganhasse uma chance de escapar. Mas era aí que estava o foco do problema.

A pressão que o peso do animal fazia sobre mim também não ajudava, eu mal tinha oxigênio para respirar, imagina conseguir gritar ou me concentrar em qualquer outra coisa. No entanto, minhas tentativas devem ter surtido algum efeito e alertado as meninas, pois em seguida, a vela no canto foi acesa, me dando uma visão mais detalhada do lobo. Não foi uma experiência muito interessante, na verdade foi um pesadelo, eu teria gritado se pudesse. Giovanna, por acaso, fez isso por mim, ela gritou alto ao ver a criatura e deixou o fósforo cair.

O lobo tinha um pelo negro, porém fosco como se ele tivesse acabado de rolar na poeira. Seus olhos dourados eram realmente surpreendentes, mas as presas, as garras enormes e a dor no local onde ele se apoiava não me deixavam admirá-los por muito tempo. Giovanna correu para buscar sua bolsa e ao longe ouvi Julie dizer algo, ela parecia agitada, no entanto não consegui me concentrar, estava perdendo a consciência.

A porta da cabine foi golpeada por algo grande, o barulho ganhou a atenção do animal. O objeto rangeu antes de desabar. Como o cômodo era estreito, quase acertou parte do lobo que no reflexo, pulou para o chão, assumindo posição de ataque. Finalmente pude respirar. Apesar da tonelada que pesava, ele ainda assim possuía um corpo magro para os padrões, suas patas chegavam a ser bem finas. O barulho deve ter acordado todo o vagão do trem, pois os murmúrios dos fantasmas ficaram mais altos. Aliás, fantasmas dormiam?

Me ergui no impulso quando vi Christopher do outro lado da entrada com a perna erguida, ele tinha derrubado a porta com a ajuda de Benjamin. Meu corpo estremeceu, o ombro latejou e percebi minha blusa sendo manchado por meu sangue, no mesmo lugar onde estavam as patas do lobo. Ele rosnou baixo e enquanto eu tentava calcular quanto tempo levaria para me mover e puxar a adaga da mochila antes de ser atacada, as coisas aconteceram como um flash.

O lobo avançou rápido demais, uma flecha o atingiu. Ele apenas choramingou por meio segundo antes de continuar seu salto com as presas gigantes a mostra. Vi Benjamin se afastar depois do golpe e o lobo acertou as unhas na parede da frente. O líder e Christopher ficaram lado a lado, cada um com suas respectivas armas. Eu podia ver o corredor ficando cada vez mais iluminado enquanto um a um dos fantasmas tomavam consciência do que estava acontecendo e acendiam suas cabines.

- Hailey, você está bem? Precisa de ajuda? - Giovanna veio às pressas em minha direção, mas antes dela me alcançar eu já havia puxado minha mochila do canto e corria para ajudar os meninos.

- Pegue seu machado! Julie vá procurar Buu! - Pedi - Nós temos um grande problema para resolver.

- Mas você está machucada! Não se arrisque assim, Hay!

Pude ouvir Giovanna protestar, mas eu já havia alcançado a porta. Eu não me importava com os danos no meu corpo, me cortar, ser ferida já era uma rotina. A briga que se desenrolava à frente que era realmente assustadora. O corredor já estava destruído quando o atravessei: janelas quebradas, paredes arranhadas e os poucos móveis que ali estavam, pelo chão, quebrados. Eu ainda podia ouvir o estrago sendo feito nos outros vagões, as vozes dos meninos se misturavam ao rosnar do lobo. Enquanto isso, os fantasmas perambulavam de um lado a outro, atravessando paredes e reclamando da briga como se fosse algo banal que despertara seus sonos de beleza, ninguém parecia muito interessado em ajudar. Ótimo!

O Mistério de Allíshya - Perdida | Livro 03Leia esta história GRATUITAMENTE!