✍ Como embaraçar seu crush 101 ✍

517 106 521

Porque eu tive o melhor dos piores lados

Oops! This image does not follow our content guidelines. To continue publishing, please remove it or upload a different image.

Porque eu tive o melhor dos piores lados

E eu tive esses pulmões, oh

E eu tive tantos flashbacks

Que apenas os deixei queimarem

Drugs | EDEN


Saia jeans azul. Blusa preta de gola alta e com um decotezinho pequeno em forma de coração. Sapatilha preta com glitter. Pulseiras, argola e um pouco de perfume e maquiagem.

Eu tinha escolhido algo muito simples para sair com Lucca, mas agora que me vejo refletida no espelho, gosto do conjunto que foi formado.

Linda não estava no quarto. Tinha que verificar se a estrutura do estande da Lagano estava bem montada, então ainda não tinha voltado. Eu só poderia tirar fotos do estande na manhã seguinte.

Lucca mandou mensagem que estava me esperando no saguão do hotel. Eu achei que ele viria me buscar no quarto, então fiquei ligeiramente frustrada. Queria ver seu rosto impactado ao dar de cara comigo atrás da porta, completamente ousada e linda no meu lookzinho.

Quando as portas do elevador abriram, meu coração apertou um pouquinho ao ver Lucca me esperando. Estava usando uma roupa muito parecida com a que usou para o show do The Weeknd, embora agora sua camisa fosse menos formal.

— Maravilhosa...

Lucca disse baixo ao meu ouvido depois de me dar um abraço apertado que me fez senti-lo todo. Esperei o beijo, mas ele não veio. Eu queria o Lucca beijoqueiro presente nesse encontro.

— Você até que não está de se jogar fora. – Sorri-lhe enquanto aspirava seu cheiro. Seu perfume tinha notas do grão preto que gera a melhor bebida do mundo – Cheirinho de café, achei o melhor apelido do mundo.

— Eu gostei. É carinhoso.

— É, e café é quente também. Consegue rasgar sua garganta e te deixar uma noite inteira acordado.

— Deus, você é uma praguinha.

— Adoraria que esse fosse meu apelido.

— Então já está decidido, praguinha. – Tocou a base das minhas costas me fazendo andar. – Vamos, não podemos perder sua surpresa.

— Para onde você está me levando, hein?

— Se eu contar não é mais surpresa.

Revirei os olhos e acompanhei seus passos apressados. Minhas pernas sentindo um pouco do vento gelado da noite. Era agradável e me fazia voltar um pouco à realidade sempre que os dedos de Lucca faziam uma pressãozinha maior contra minha pele.

INGRID MAYERLeia esta história GRATUITAMENTE!