✈ Ó meu Deus, tô na Croácia! ✈

540 107 435

Oops! This image does not follow our content guidelines. To continue publishing, please remove it or upload a different image.


O tempo é uma coisa valiosa

Assista-o voar como o balançar de um pêndulo

Observe a contagem regressiva até o fim do dia

O relógio faz a vida passar, (é tão irreal)

In The End | Linkin Park

De helicóptero, da Itália para a Croácia, foi praticamente um pulo. Luca realmente passou para me buscar no horário combinado, o problema era que estava de motorista e estava tão ocupado resolvendo as últimas pendências da viagem que mal trocamos cinco dúzias de palavras.

— Você está linda...

Foi a frase que mais ficou em minha mente, especialmente quando o olhar que a acompanhou foi totalmente luxuriante. Por que Lucca devorou minhas pernas como ninguém o tinha feito, e olha que eu até que estava com um short e uma batinha comportada.

Aproveitei a viagem para responder alguns e-mails e deixar Miriam informada dos meus passos. Assim ela saberia o que responder quando algum parceiro do meu Instagram pedisse mais informações sobre a minha viagem de última hora.

Šibenik. Šibenik. Šibenik. Šibenik.

Fiquei brincando com o nome da cidade em minha mente até que meus olhos se acostumaram ao local. O que vou dizer, seria mais difícil que parir um tijolo.

— Você gosta? – Lucca encerrou as últimas ligações e finalmente pode me dar atenção. Eu já estava ficando carente.

— É tudo tão bonito que meu cu tá até piscando!

Lucca gargalhou gostosamente de mim.

— Pense, Ingrid. Você está numa dessas casas de pedras brancas como as nuvens. Não há materiais de conexão. No século quinze...

— Ai meu Deus, Lucca, eu tô arrasando! – Brinquei fazendo-o sorrir. Eu adorava o seu sorriso. – Parece um sonho!

— Eu sabia que iria gostar. Esse foi um dos motivos.

— Um dos? – Perguntei ligeiramente confusa.

— Sim, o outro é por que queria ver a cor do mar refletida nos seus olhos.

— Assim eu me apaixono, hein! – Dei um soquinho no seu braço. Ele não podia ter me deixado sem graça, ninguém deixa Ingrid Mayer sem graça.

— Quem sabe não é esse o plano?

Falou de certa forma profunda, contemplativa, e então prosseguiu em contar um pouco mais da arquitetura da cidade enquanto eu já começava a tirar cliques do carro antes de entrar no hotel. Eu tinha trago minha P9000 justamente para os cliques de longa distância que pretendia fazer.

INGRID MAYERLeia esta história GRATUITAMENTE!