📚 Como ser azarada 101 📚

664 109 603


Oops! This image does not follow our content guidelines. To continue publishing, please remove it or upload a different image.

Então eu beijo seus olhos

E agradeço a Deus por estarmos juntos

É que eu só quero ficar com você

I Don't Want to Miss a Thing | Aerosmith


O texto de Lucca que recebi no celular era a única coisa que estava me fazendo ficar num estado de nervos. Era a noite do show. Eu ia ver The Weeknd. Se Deus quisesse, ia beijar muito na boca. Tirar muitas fotos e postá-las nas redes sociais no dia seguinte.

Por que eu ainda não era dessas que ia para um show e não curtia nada.

Vesti a roupa escolhida, arrumei o cabelo, fiz uma maquiagem e tirei uma foto de corpo inteiro no espelho.

Postei na rede social e então recebi a mensagem de Lucca dizendo que já estava me esperando lá na portaria do apartamento. Fui descendo as escadas devagar, já que os prédios de aluguel da Itália, os menores especialmente, não tinham elevadores, para não parecer assim tão desesperada para ver o arquiteto.

Eu devia ter me preparado melhor para esse encontro por que, quando o vi, senti as pernas fracas feito gelatina. Um friozinho na barriga que doía de uma maneira boa e um calor cês sabem onde.

O homem estava apoiado contra seu Bentley, confesso que ainda estava achando que a mensagem dele tinha sido uma sacanagem, e estava pronta para brigar, mas descobri que não era mesmo.

O homem queria mesmo me esculachar trazendo justo esse carro.

— Nossa, você quer mesmo acabar comigo, né?

Eu disse sorrindo, levemente constrangida.

— Desculpe, fui incapaz de resistir. – Seu sorriso foi tudo o que eu precisava para esquecer meus próprios problemas um pouquinho – Está linda.

— E quando que eu não tô mesmo? – Respondi fazendo carinha de anjo. Vai que ele acredita.

— É mais fácil o inferno esfriar do que isso acontecer. – Então deu um passo para mais perto de mim e pegou meu rosto, segurando com cuidado o queixo, olhou fundo em meus olhos e disse – Deixa eu fazer uma coisa?

Já estava pensando mil obscenidades.

Lucca ergueu de leve o polegar e apertou-o contra meu lábio inferior, deslizando-o pelo meu comprimento enquanto seu olhar devorava minha boca, antes mesmo que seus próprios lábios.

— Por que isso? – Perguntei quando notei que estava ficando meio quente dentro da minha calcinha.

— Só para eu ter certeza que não vou ficar com a cara de palhaço como da última vez.

INGRID MAYERLeia esta história GRATUITAMENTE!