Uma casinha no meio do nada...

76 3 2
                                                  


Luccino e Otávio não poderiam estar mais felizes. Depois de muitos contratempos (e interrupções), eles podiam ser quem eles realmente eram. Com algumas ressalvas, claro. Pouquíssimas pessoas sabiam sobre eles. Para os que não sabiam do amor que sentiam um pelo outro, eles eram grandes amigos que, por "razões financeiras", resolveram morar juntos, nunca casa afastada do centro da pequena cidade do Vale do Café. Aquela ideia havia sido de Mariana e Brandão, já cansados de ver os dois morando em casas diferentes, quando o que mais queriam era estar juntos.

- Muita gente faz isso hoje em dia. – Disse Mariana, três anos antes, ao terminar de amamentar a pequena Brariana Brandão Benedito, agora bastante sonolenta, e a entregar para Luccino, que a pegou com todo o cuidado e a colocou para ninar.

- Concordo. – Brandão continuou. – Quando Mariana e eu fomos até São Paulo, na pensão em que ficamos, muitos homens e mulheres moravam juntos. Não é nada do outro mundo. Aqui a diferença é que vocês irão morar numa casa.

- Mas o que o povo irá falar? – Otávio perguntou, balançando a mãozinha da bebê no colo de Luccino. – Não digo por mim, mas pelo Luccino. Pelo o que poderiam falar dele.

- De novo com isso, Otávio? – Luccino olhou para o companheiro. – Você sabe muito bem que eu não me importo com isso.

- Mas eu me importo com isso por você. – Otávio falou em tom apaziguador.

- Eu concordo com a opinião do Luccino. – Disse Mariana. – Otávio, você não devia se importar.

- Eu entendo o ponto de vista do Major, Mariana. – Disse Brandão. – Eu também não suportaria caso soubesse que as pessoas estivessem falando coisas desagradáveis sobre você. Mas, talvez, haja uma solução para isso.

- Qual? – Perguntaram Mariana, Otávio e Luccino ao mesmo tempo.

- Major, se lembra daquela casinha, bem afastada do centro da cidade, em que uma vez tivemos de fazer uma ronda?

- Claro que sim. – Otávio respondeu, rindo. – Um casal de idosos chamou a nossa ajuda. Havia um gambá no telhado da casa e eles haviam pensado que era um ladrão afastando as telhas para invadir o lugar.

- Essa mesma. – Disse Brandão. – Pois bem, eu soube que a casa está para ser vendida. Pelo o que eu sei, o casal está se mudando para Campinas, para a casa de um dos filhos. E estão querendo vender a casa.

Luccino sorriu e se virou para Otávio.

- Por mim, seria ótimo, Major. E o que você acha?

Otávio estava gostando da ideia, mas ainda havia um porém.

- O que diremos quando souberem que estamos morando juntos? Coronel, eu sei que em São Paulo as coisas são diferentes, mas como o senhor bem sabe, estamos no interior, em pleno Vale do Café e a malícia humana não tem limites.

- Isso é fácil. – Disse Mariana, já se animando com a ideia dos dois amigos queridos morando juntos, vivendo como qualquer outro casal que se ama. – Diremos que vocês estão querendo cortar gastos. Brandão e eu podemos confirmar isso. E eu digo que eu dei a ideia de vocês dividirem o pagamento de uma casa.

Todos pararam e se voltaram para Otávio, o encarando e esperando sua resposta. Brandão lançando um olhar confiante para o amigo, Mariana esperançosa e Luccino, com aquele olhar e aquele sorriso que tanto encantaram e continuavam encantando o Major. Era impossível dizer não, mesmo estando com medo de que o companheiro sofresse algum tipo de preconceito.

E ali, após três anos, estavam eles, vivendo felizes na casinha pequena, no meio do nada, de dois quartos, uma cozinha nos fundos, um banheiro e uma salinha, com um belo quintal com jardim, onde normalmente eles guardavam o carro e a moto e treinavam a esgrima, para que jamais perdessem a prática.

A ideia dos amigos, Mariana e Brandão, havia dado mais do que certo. A maioria das pessoas que não conheciam o real relacionamento deles não chegaram a estranhar, muitas delas até acharam uma boa ideia para que "poupassem dinheiro para quando conhecessem moças com quem quisessem se casar", e as poucas que acharam estranho ou moderno demais, guardaram as opiniões para si mesmos.

E no fim será Lutávio...Where stories live. Discover now