03. Hotter than hell

Começar do início

— Merda! — murmurou entredentes.

Voltou em casa para pegar a porcelana. Antes de sair outra vez pela porta do prédio, avistou Jimin entrando em casa, vestido em sua farda branca. Sentiu o coração errar uma batida. Foi andando devagar e, respirando fundo, bateu na porta do Tenente-Coronel, que obviamente havia acabado de entrar na residência.

Segundos que pareceram uma eternidade se passaram, até que o outro abrisse a porta. Usava a farda completa, o coturno, o quepe branco e preto na cabeça. Milhares de broches presos do lado esquerdo do peito, e as asas que representavam a aeronáutica, do outro. Havia também o broche de uma pirâmide, que indicavam a classificação de alfa.

— Oi, Jungkook — Jimin disse com a voz desanimada.

O que quase desanimou Jungkook também, mas se controlou e continuou firme.

"Eu não sou um saco de batatas! Sou um homem e um alfa" — exclamou mentalmente.

— Oi, Jimin-ssi. Me desculpe incomodar, você chegou agora? — perguntou ao moreno.

— Sim, nem tive tempo de tirar a farda — Jimin respondeu.

— Ah, é... Você fica... Bem bonitão com ela — arriscou dizer, quase fechando os olhos e esperando tomar um sopapo pela ousadia. Mas Jimin apenas sorriu.

— Komawo — Jimin respondeu sorrindo fraco. — E então, precisa de algo?

— Ah, sim — diz, quase esquecendo o plano inicial, já que estava embasbacado demais vendo aquele pedaço de mau caminho fardado. — É que... sabe, vi você chegando com as compras de mercado mais cedo, e coincidentemente acabou um ingrediente enquanto eu cozinhava, então pensei que você provavelmente teria pra me ceder um pouco.

Jimin o encara de cima a baixo, franzindo o cenho e então se depara com a xícara nas mãos do mais novo. Ele retira seu quepe da cabeça, e arruma os cabelos para trás, deixando Jungkook outra vez hipnotizado, com o movimento.

— O truque do açúcar? Sério? — Jimin indaga, com um sorriso no canto dos lábios.

— Hein? — Jungkook pergunta saindo de seu transe. Então vê o Tenente alternando o olhar entre ele a xícara em suas mãos. — Ah, não, é que... Eu tava fazendo um bolo de chocolate, mas acabou o achocolatado para a cobertura... E você sabe, sem cobertura não tem graça — fala sorrindo sem jeito.

— Por que não compra lá na loja de conveniência? Você trabalha lá, é no próximo quarteirão... — Jimin responde o encarando com uma das sobrancelhas arqueadas.

Jeon então prende a respiração. "Merda! Eu sabia que não era pra ouvir aqueles idiotas!" — pensou.

— Oh, é mesmo, não pensei nisso, hyung — mente. — Me desculpe. Mil desculpas — fala, quase tropeçando nos próprios pés, desesperado para sair correndo dali e se esconder em seu quarto até o dia do Apocalipse.

Mas quando desceu as escadinhas da entrada da casa de Jimin, ouviu sua risadinha característica, então se virou para trás e o pegou rindo, com uma das mãos em frente à boca.

— Eu estava brincando, Jungkook — o Park diz rindo abertamente. — Pensei que você fosse do tipo humorado.

Jeon continuou olhando pra ele, aliviado e perdido na beleza daquele hyung. O cara era tão lindo que doía bem na sua alma, ele podia sentir. Não sabia o que responder, estava se sentindo idiota. A sensação era a mesma de um ator que acabara de esquecer a fala bem no meio da peça.

— Eu tenho sim, tanto o açúcar quanto o achocolatado — Jimin fala, quando para de rir. — Mas você vai ter que entrar e me ajudar a achar, porque eu estava atrasado para um compromisso no quartel e acabei deixando as compras todas em cima da bancada, nem tirei das sacolas.

INCANDESCENTE | jikook • Abo • bdsmLeia esta história GRATUITAMENTE!