Setembro IV

95 18 5

Na segunda-feira que se seguiu ao aniversário do meu pai, durante o tempo que fiquei na fila da cantina enquanto o Renan tomava uma bronca do professor de física, escutei as meninas da minha sala falando sobre o Carlos. Isadora e Natália estavam umas três pessoas atrás de mim, mas conversavam em voz alta sem, talvez, terem percebido a minha presença.

Não que eu estivesse exatamente prestando atenção, mas então a Natália solta do nada:

— Sei lá quando foi isso, só sei que ontem ela meio que contou pra todo mundo, pros meus pais e tal. Eles pediram pro Carlos ir lá em casa, pra conhecerem ele direito, já que agora é oficial...

— Mentira! Você não ficou sabendo de nada?? Tipo, o Carlos não falou disso hora nenhuma com a gente, mas sua irmã não contou que eles ainda tavam ficando?? — Isadora parece tão chocada quanto eu, quando percebi o teor da conversa.

— Não, nada. Quero dizer, a gente sabe que eles se pegam de vez em quando, mas namoro de verdade mesmo... Juro que não tava esperando. — a voz da Natália era de raiva, eu nem precisava me virar para ver isso estampado no seu rosto.

— Ai, amiga, e você? Como tá com essa situação? Tipo, você e o Carlos...

— Não tinha nada rolando entre a gente, você sabe. Faz muito tempo isso. Eu nem queria ficar com ele mais porque ele sempre que vê a Nayara esquece da minha existência, então... Eu sei a hora de tirar meu time de campo, amiga. — as duas riram pela analogia e a Natália continuou: — Agora você quem tem que me contar que história é essa do Gabriel te pedindo em namoro!

Abstraí um pouco, apesar da novidade também ser bastante surpreendente, já que não tinha notícias dos gêmeos há um tempo.... Mas o que me prendeu mesmo foi saber que a irmã mais velha da Natália assumiu namoro com meu primo. Pra quem estava brincando literalmente no dia anterior que ficaria solteiro para a vida toda, Carlos sabe mesmo como conduzir as coisas, né?

Me peguei pensando o motivo de ele não ter falado nada sobre o assunto com nossos parentes. Quero dizer, a Nayara é a definição de "mulherão" que todo mundo lá de casa tem, tanto física, quanto psicologicamente, digamos: alta, encorpada, bonita, rica, desinibida, universitária e, bem, mulher com todas as letras e sem tirar nem pôr. O Carlos não teria porquê escondê-la de ninguém. Seria mais um trunfo do macho alfa da família, mais uma oportunidade de me ver ser rebaixado pelos nossos parentes... Ele não perderia essa.

Então, por quê?

Quando conto ao Renan mais tarde sobre o assunto, ele fica tão surpreso quanto eu. Estamos sentados no auditório do colégio porque as duas turmas estão reunidas para uma "discussão que nos interessa" — ou pelo menos foi isso que a Mariana nos disse quando nos pediu para ir pra lá depois da aula de Educação Física. Enquanto todo mundo se ajeita, nós dois cochichamos coisas que poderiam ser nomeadas como fofoca, vamos ser sinceros...

— Não entendo porque ele não contou nada da Nayara lá em casa ontem... — comento, ao que o Renan suspira.

— Talvez ele esteja esperando o momento certo pra jogar essa carta na mesa? Tipo, sei lá... Ou talvez ele não esteja tão a fim assim dela e só tenha falado isso pra ela. Que estão namorando, eu quero dizer... — concordo em partes, a gente se senta nas cadeiras mais acima, e Renan se estica e fecha os olhos, parecendo um pouco cansado. — Eu sempre achei que o Carlos fosse a fim da Natália e usasse a irmã dela só pra aparecer mais. Afinal, namorar alguém da mesma idade, da mesma sala ainda, é tipo um crime federal, se você não sabe.

Solto uma risada anasalada e ele pisca um olho na minha direção, divertido.

— Oi de novo, gente. — a voz da Mariana soa estridente no microfone e ela pede desculpas, meio sem graça. A Karina, representante da sala do Renan, está ao seu lado e as duas revezam para falar. — Bom, a gente já discutiu em sala algumas vezes sobre isso, mas resolvemos nos juntar porque não somos muita gente... E nós meio que nos conhecemos todos. Tipo, estamos na mesma escola desde sempre, então achei a ideia legal.

Aprendendo a Gostar de Você {Aprendendo III}Onde as histórias ganham vida. Descobre agora