Edu- Mas tu achas que eu sinto pena de ti? 

Fiquei em silencio, não me apetecia discutir e muito menos com uma pessoa que não conhecia.

Chegamos a casa, pedi a Joana se me ajudava a ir para o quarto. 

Edu- Queres ajuda?

Eu- Não. (disse com uma cara de arrogante)

Eu sei que estava a ter umas atitudes muito infantis mas, ... não me queria apegar ao Eduardo, porque eu sei que quando voltarem para Lisboa ele não vai querer saber mais de mim. Ele só tá a ser super queridinho por causa do meu irmão porque senão.... Já chega de falar no Eduardo, estou cansada e queria descansar, por isso fui para o meu quarto. 

#toc#toc#

xx- Posso entrar?

Eu- Não quero ver ninguém.

Edu- Preciso de falar contigo... (abriu a porta e espreitou)

Eu- Mas eu não quero falar.

Edu- Não precisas de falar, basta me ouvires. (entrou e sentou-se a beira na cama)

Eu- Despacha-te tenho mais que fazer.

Edu- Eu compreendo que não queiras falar comigo, que não confies em mim porque não me conheces, mas eu precisava mesmo de falar contigo. Desde que te vi que senti a obrigação de te ajudar, ajudar no que precisares, por isso ficas já a saber que podes contar comigo para tudo!

Podes estar a pensar que estou a ser querido por causa de ser o melhor amigo do teu irmão e querer fazer boa figura, mas não é isso acredita. Sim, vou voltar para Lisboa, mas não é a distancia que me vai fazer esquecer de ti, tu tocaste me de uma forma que nem eu proprio te sei explicar o que sinto... 

Eu- Acabaste? E porque que estás aqui agora? Explica-me é que eu não estou a perceber...

Edu- Gostei da pessoa fantastica que és... já alguém te disse que tens um sorriso perfeito?

Ok, acabei de corar, senti um friozinho na barriga, mas porque que eu estava a sentir aquilo? A minha cabeça estava tão confusa...

Eu- Já falaste tudo?  Pronto já podes sair.

##EDUARDO ON##

Mas porque que ela me trata assim?

**Mágoas e Memórias**Leia esta história GRATUITAMENTE!