Capítulo 23 - Alonso prisioneiro

7 2 0

— Olá, meu senhor. Como foi a soneca? — disse Nicolas para o nobre amarrado. — Espero que tenha sido agradável. Nos demos ao trabalho de assegurar que estivesse confortável.

Alonso lutou por um instante, tentando se livrar das cordas. Mas ao perceber que não podia se mexer, ele sentou da forma mais digna que podia e encarou seu sequestrador.

Nicolas sorriu.

— Um nobre até o fim, igual a seu pai. Ao menos espero que não tente nada estúpido. Antes de discutirmos algumas coisas, gostaríamos de agradecê-lo por tudo. Se não fosse por você, jamais teríamos feito essa aliança.

O homem barbado gesticulou, e um homem baixo caminhou até o seu lado. Ambos encararam Alonso através das barras da prisão.

Só Nicolas, quem já foi a Espada do Rei, sorriu. O líder dos bandidos da floresta não mostrou expressão, seus olhos pálidos.

Mas enquanto encarava o lorde amarrado, os olhos de Otto brilharam e seu rosto se contorceu de raiva. Sua energia começou a fervilhar, quase tomando o controle da energia retorcida que o dominara.

Se não fosse por essa raiva e o amor por seu povo, ele já teria sido consumido pela energia retorcida, compreendeu Tetsuko.

A alma dentro da espada observou Otto desde que sentiu a semente da mesma energia de Caos Sortudo adentrá-lo.

Ela sabia de uma coisa. A energia estava viva.

A outra energia dentro dele tentava consumir a alma e mente do líder.

Sempre que ele descansava ou ficava de guarda baixa, a energia crescia dentro de si. Nesses momentos, seus olhos perdiam a cor, como se sua alma estivesse prestes a partir.

Mas, quando ele ficava ciente de seus arredores, ou sua família falava com ele, seus olhos brilhavam e a energia retorcida diminuía.

Nicolas colocou uma mão nos ombros de Otto e a raiva perdeu para a energia retorcida.

— Graças a você, meu senhor, dois dos grupos mais perigosos de bandidos se aliaram.

Tudo que Alonso fez foi encarar seus sequestradores.

— Me desamarrem — disse em voz baixa, sem deixar o medo cruzar seu rosto.

Tetsuko riu mentalmente. Até agora, quando não tem ninguém por perto além dos bandidos, ele tenta preservar sua imagem como nobre. Esse é meu portador...

Antigo portador agora, creio...

— Se me libertarem, me certificarei de que sua punição seja...

A risada do bandido interrompeu as palavras do lorde.

— Minha punição? — Nicolas riu de novo. Uma risada profunda que ecoou nas paredes da prisão de pedra. — Acho que bati forte demais na sua cabeça. Sinto muito por isso.

Otto não compartilhou da risada do outro homem.

— Deixe-me avisá-lo de algo, meu senhor. O Rei quer meu pescoço. Já o quer há dez anos. Terei sorte se puderem enterrar algum pedaço do corpo depois da punição — disse Nicolas, com uma voz fria e sombria. Então, por um instante, seus olhos ficaram menos pálidos enquanto segurava as barras de metal. — Após tudo que fiz por ele, após todas as pessoas que matei por ele, ele me chama de traidor e me sentencia à morte...

Tetsuko sentiu novamente as duas energias dentro dele. Mas a energia clara era só uma gota em um lago e a retorcida venceu. Ao mesmo tempo em que os olhos de quem um dia já foi a Espada do Rei ficavam pálidos outra vez.

Re;BladeLeia esta história GRATUITAMENTE!