Julgamento| Capitulo 42

Começar do início

Sem graça, ela baixa as vistas e se senta no sofá. Paulo logo surge na sala e mostra espanto ao me ver, vejo até uma lágrima escapar de seus olhos.

Lágrimas de crocodilo.

-Katrina, minha filha, como você cresceu, se tornou uma mulher bonita, estou orgulhoso. -suas palavras me geram ânsia de vômito.

-Quatro minutos. -o ignoro.

-Katrina, por favor. Nos escute até o fim. Insisti que viesse por ser de extrema importância.

-Estou ouvindo.-digo olhando relógio dourado em meu pulso. Sou cruel quando quero ser.

-Te chamamos aqui porque precisamos te pedir perdão. Soubemos que você foi baleada, nos desculpe. Não tínhamos opção. Nós te amamos muito, minha filha. Sabemos que erramos com você, fomos ignorantes. Fui um tolo, me perdoe-Paulo se pronuncia enquanto Christina chora.

Quatorze anos para se arrepender...

-Dois minutos. -Finjo não me importar com suas palavras, mesmo que minha vontade seja de gritar e colocar tudo que guardo durante esse tempo

-Katrina chega! Seja a merda de uma mulher adulta e nos escute. Somos seus pais, chega dessa coisa de impor ordens e suas vontades, você pode ser juíza lá fora, aqui dentro e para nós é somente nossa filha. Então não fique tratando o que temos a te falar com indiferença. Não tem um só dia que eu não me arrependa de ter dito aquelas duras palavras para você, não sabe o quanto me doía ver que você estava saindo nas notícias nacionais como referência na profissão e não estar ao seu lado, saber que você se formou e não estar presente foi um castigo, mas pior ainda foi ver que a vagabunda da Alexandra conseguiu te envenenar contra nós e te tomar de mim.

As palavras de Christina foram doloridas demais para meus ouvidos e coração. Em um ato impensado, dirigi uma bofetada em sua face ficando meus dedos desenhados.

-Lave bem a porra da sua boca para falar daquela mulher excepcional. Alexandra é o que você nunca foi, minha mãe. Você, seu monstro-apontei para Paulo- a estuprou e você sua nojenta, se aproveitou disso para tirá-la do seu caminho. Ela é tão vitima quanto eu, do jogo de ambição nojento de vocês.-Christina chora segurando a face-Vocês tiveram quatorze anos para se arrepender, jogaram à míngua a única filha de vocês com dezesseis anos na rua contando com a sorte de ser amparada por um anjo chamado Gabriela e sua família. Uma filha que foi vítima de manipulação e mau-caratismo de um namorado e traída por uma prima em um momento onde tudo que precisava era do apoio da família. Em vez disso, vocês foram soberbos. Pensaram só em suas vidas medíocres de luxo. Então não, não perdoo. Vocês não possuem esse direito-jogo as palavras com uma calma incomum.

-Fomos tão manipulados tanto quanto você, Katrina.-Paulo se defende, ou pelo menos tenta.

-Não compare as situações. Vocês fizeram a escolha de vocês lá atrás, mas não satisfeitos voltaram... voltaram e quiseram acabar comigo de novo, apoiando aquele doente do Ricardo e a piranha da Rafaela.

-NÃO FALA ASSIM DELA.-Christina defende.

Obvio que ela faria isso...

-Não tivemos escolha, Ricardo nos ameaçou. -Paulo tenta.

-Tiveram escolha sim. Todos temos, eu fiz a minha. O que me dói é ver que vocês não mudaram. Continuam sendo o mesmo lixo. O lixo tóxico que exala destruição.

-Katrina, não seja dura. Ricardo descobriu uma coisa que nos queimaria em São Paulo.-Christina recuperada tenta me convencer do contrário.

-Ah foi... que lindo... a imagem de vocês não está suja em São Paulo. Está suja no Brasil inteiro, suja não, só mostrando os quão porcos vocês são.

Treinada para não Amar_ Katrina[CONCLUÍDO]Leia esta história GRATUITAMENTE!