Exigências Part.2

524 99 42

 Eu adoro romances adolescentes com finais previsíveis e que me afastem um pouquinho da realidade

Ops! Esta imagem não segue as nossas directrizes de conteúdo. Para continuares a publicar, por favor, remova-a ou carrega uma imagem diferente.

Eu adoro romances adolescentes com finais previsíveis e que me afastem um pouquinho da realidade.

Durante muito tempo, eu quis tudo aquilo para mim. Quis um garoto alto, de belos olhos castanhos, carinhoso, e que tivesse o coração do tamanho da minha casa. Eu quis alguém que me completasse, que me compreendesse e que me amasse inteira e verdadeiramente.

Descobri que isto é mais difícil de conseguir do que se imagina.

Eu pedi um garoto como Vincent, e no pacote, o ser supremo mandou Noora de brinde. Não me levem a mal! Sério! Após várias tentativas, descobri que Noora Callahan é uma garota única, e que tem um coração de diamante, pois ouro não seria bom o suficiente para descrever sua raridade.

— No que está pensando. — o ombro de Doug esbarra no meu. — Pensei que estivesse com sono.

— E eu estou. — respondo. — Mas não vou conseguir dormir com o chacoalhar do ônibus. Estou com medo de bater o rosto na janela.

— Deita aqui. — ele abre os braços, oferecendo o próprio peito como travesseiro.

E então, eu sinto.
Sinto aquele maldito tum tum, tum tum, tum... aquele ritmo descompassado.

Obrigada.

Doug Calliêr nunca foi o meu ideal de garoto perfeito. Na verdade, sempre o vi como o jovem de sorriso maroto, cabelo ruivo quase sempre bagunçado, rosto corado (principalmente depois dos treinos) e sardento. Nunca pensei que estaria sentada ao lado dele, usando seu corpo como suporte e aproveitando o momento para inspirar profundamente.

— Virgínia Prums, você acabou de me cheirar? — nego levemente. — Tem certeza? Eu senti um arzinho no meu pescoço.

— Você e Vincent são malucos. — sussurro, sentindo o sono se aproximar. — Ontem mesmo conversei com Noora sobre este lance de cheirar os outros. Eu não faço isso e ela também não, mas, aparentemente, vocês fazem.

— Eu não fiz nada. — sinto seu hálito costurar por entre meus fios de cabelo. — Foi você quem fez.

— Não. — puxo o capuz de seu casaco amarelo queimado, de forma que consiga cobrir meus olhos. — Eu não fiz.

 — Eu não fiz

Ops! Esta imagem não segue as nossas directrizes de conteúdo. Para continuares a publicar, por favor, remova-a ou carrega uma imagem diferente.
Homeboy - amigavelmente amigável (livro 1).Where stories live. Discover now