Capitulo 43

1.8K 209 17

                            Ellen

Lucas tem andando muito ciumento eu até entendo o lado dele não acho errado da parte dele temos que entender um ao outro pra ficarmos de boa.

Ele não me proíbe de sair apenas conversa comigo que não acha legal eu está o tempo todo enfiada em baile eu até concordo não tem necessidades por ele nem ele iria ir só vai mesmo por causa do neném, pq ele tem que ficar atrás dele mais depois ele vem pra casa e nos fica juntinhos.

Hoje niver da Cunha tava tudo de boa eu não sabia que o bofe do Lins ia vir ele veio até com a mulher dele não fiz absolutamente nada e o Lucas surtou.

Ele me mandou msg que era pra mim entrar que ele queria falar comigo peguei a chave com minha sogra e fui lá pra dentro demorou nada ele já entrou de cara emburrada.

Fomos lá pro quarto de hóspedes quando encostei à porta ele já começou a surtar.

Lucas: tem vergonha na cara não? Me encarou – porra tu e muito vagabunda cr - andou pelo quarto

Ellen: tá maluco cr eu não fiz nada não Lucas - suspirei sentando na cama

Lucas: não fez o crlh cachorra da porra tá lá dando mole pro cr na minha frente à mulher do cara lá com ele porra - aponto o dedo na minha cara

Ellen: eu não tava dando mole pra ele Lucas para com isso, nem pra ele eu olhei - suspirei.

Lucas: namoral cr vou te largar po to aguentando você não, tu não vai mudar não po maior otaria do crlh vai arrumar qualquer mlk aí só pra te comer como sempre fez  - gritou

Ellen: tem necessidade disso mesmo? - suspirei já sentindo meu rosto molhar

Lucas: tem, tem necessidade pq tu e uma cachorra do crlh não se da o valor que ódio dessa sua cara namoral mesmo mano - passou a mão no rosto

Ellen: amor para de falar essas coisas tu sabe que eu te amo poxa, você sabe que estou tranquila com você - comecei a chorar

Lc: nmrl tu e muito piranha porra, dando mole pro cara na minha frente sua vagabunda que vontade de arrebentar essa sua cara - gritou

Ellen: para com isso Lucas eu não fiz nada eu nem olhei pra ele - falava chorando – eu não sabia que ele ia vir amor

Lc: amor o crlh vagabunda da porra, piranha vai se foder última forma po pode me esquecer vacilona.

Ellen: não Lucas não - chorei mais ainda

Lc: me larga porra pode me soltar - me empurrou na cama e na hora a Nanda entrou no quarto.

Lucas saiu puto eu só sabia chorar que merda ela ficou conversando comigo e depois saiu fiquei um tempo ali deitada retoquei a maquiagem e voltei lá pra fora.

Lucas ficou o tempo todo me encarando fiquei na minha com as meninas bebendo de leve.

Pessoal foi embora nanda tava muito mal subiu com o neném maluca depois fica se arrependendo ajudei minha mãe e minha sogra a guardar as coisas de comer quando fui ver Lucas tava lá no sofá apagado.

Ellen: Lucas vai tomar um banho - balancei ele

O mesmo foi lá pro banheiro minha mãe e minha sogra foram dormir se arrumaram lá no quarto eu peguei as coisas puxei o sofá que vira cama deixei as coisas lá o bonito veio só de short deitou me abraçando.

Lucas: foi mal por mais cedo - beijou meu pescoço – sabe que eu te amo po

Ellen: eu também te amo amor, abracei ele

Iniciamos um beijo lento que resultou em uma namorada de leve depois dormimos ali agarradinhos como sempre.

Agente briga mais eu amo esse cachorro Lucas e o amor da minha vida.

O preço dessa vida (M)Leia esta história GRATUITAMENTE!