Capitulo 31

1.9K 197 4

Nanda

Passei um sufoco com Alana na madrugada que queimou de febre só sabia chorar chamando aquele pai dela dei um banho e o remédio dela conversei com ela que o pai dela tinha se machucado e que amanhã ela iria no hospital ver ele.

Só assim ela se acalmou e conseguiu dormir aí abracei minha neném e dormi juntinho dela.

Acordei cedinho fui nem pro curso desci Lucas tava tomando café junto da minha mãe.

Nanda: bom dia - forcei um sorriso

Ruth: bom dia filha - sorriu

Lc: bom dia - continuou comendo – tem notícia do 2n? - me encarou

Nanda: ainda não falei com a Ellen não - ele assentiu levantando

Lc: qualquer coisa me avisa - assenti e ele saiu.

Tomei café ali com minha mãe conversando comigo logo Alana apareceu na cozinha toda pra baixo mandei nem pra escola coitada.

Ela não queria tomar café não mais fiz tomar falei que não ia ver o pai que rápido ela comeu.

Liguei pra Ellen conversei com ela, ela disse que neném fiz a cirurgia na perna na madrugada que tinha dado tudo certo só que ele vai ter que fazer fisioterapia por pouco não perde o movimento.

Falou que ele vai ficar de observação hoje e amanhã mesmo já está de alta dei graças a Deus por mas que ele foi um vacilao não desejo o mau dele esse viado e o pai da minha filha.

{...}

Nanda: bora logo Alana - gritei e ela desceu correndo

Alana: tchau vó - gritou

Ruth: tchau meu amor, manda um beijo pro sei pai- saímos

Lucas ia nos deixar la no hospital já tava esperando Alana entrou atrás eu entrei na frente com ele liguei o som baixo que eu sou abusada mesmo.

Nanda: e tu e Ellen vingou não? - encarei ele

Lc: tá querendo saber pra que? - ri

Nanda: nada ue, sou sua irmã só queria saber - neguei – tu e viado Lucas?

Lc: aaah mano vai se foder, cala a boca vai - eu gargalhei

Fui atazanando ele até no hospital Lucas sempre foi assim todo fechado na dele lembro de quando éramos mais novos caiamos no pau sempre ele me arrebentava.

Quando chegamos Alana deu um beijo no tio e saímos entramos no hospital fui até a recepção peguei o papel de visita e fui sentar aonde Ellen tava com a mona dele.

Ellen: Ooi Cunha- me abraçou – amor da tia - abaixou pegando a alana no colo

Nanda: Iae como ele tá? - sentei

Ellen: tá bem, ele perguntou por vocês - sorriu e eu neguei

Olhei de lado a mona tava olhando de carão não posso fazer nada estou aqui apenas pela minha filha.

Alana: vó- levantou e saiu correndo olhei na direção ela tava vindo

Celia: Ooi minha neta como tu está - pegou ela no colo e veio se aproximando – oi nanda - me deu um beijo

Alana: vó eu quero ver meu pai - resmungou

Celia: logico meu amor, sua mãe vai te levar lá - colocou ela no chão– pode ir lá nanda

Larissa: ue sogra mais agora é minha vez - levantou a tia Celia respirou fundo

Celia: dona Celia pra você menina - encarou ela – você pode esperar mais um pouco ou a filha dele não pode ir ver ele? - seria

O preço dessa vida (M)Leia esta história GRATUITAMENTE!