Capitulo 30

2.1K 232 15

Nanda

Sabe quando você não está esperando por aquela notícia é quando recebe parece que seu mundo está desabando? Então é isso que aconteceu.

Vim pro curso e do nada ellen começou a me ligar muito de tanta insistência eu sai e fui atender e ela me falou que neném estava entrando pra sala de cirurgia tinha sido baleado.

Eu fiquei em choque me deu um aperto tão grande no peito que eu fiquei sem falta de ar na hora eu encostei na parede tentando respirar fundo e comecei a chorar.

Não queria acreditar naquilo meu Deus cr independente de tudo que ele me fez ele é o pai da minha filha ele é o homem que eu amo.

Peguei minhas coisas e sai do curso em desespero minha cabeça tava uma confusão que só, peguei o primeiro táxi que passou e fui pro hospital.

Assim que ele me deixou lá eu paguei e entrei correndo já dei de cara com a Ellen sentada de cabeça baixa.

Nanda: amiga como ele tá? Cade o nenem? o que houve? - abracei ela forte deixando as lágrimas cair

Ellen: ainda bem que você chegou - me abraçou forte não temos notícia desde que ele entrou pra cirurgia- suspirou

Larissa: o que essa garota tá fazendo aqui - me encarou

Celia: se eu fosse voce ficaria na sua ela e da família e você não daqui a pouco te coloco pra caçar seu caminho não to aguentando olhar pra essa sua cara - se aproximou e ela saiu bufando.

Nanda: aaaaai sogra, o que aconteceu com ele - abracei ela

Celia: não sei direito meu amor parece que tava tendo blitz seu irmão foi da fulga eles atiraram o neném atirou também é foi atingido na barriga e na perna - suspirou – ele perdeu muito sangue não podiam levar ele pra qualquer hospital se não e iria ser preso erick deu entrada aqui com nome falso minha filha,  ele não ficar aqui muito tempo.

Era tão difícil escutar aquilo tudo minha cabeça tava girando não estava conseguindo processar as coisas direito fui ficando tão aérea escutando tudo muito longe e logo perdi meus sentidos.

{...}

Abri meus olhos devagar sentindo minha cabeça latejar olhei pro lado estava com soro injetado na minha veia, suspirei fundo e chamei a Ellen que tava distraída olhando pra tv.

Nanda: eei, como ele está? - ela me encarou e se aproximou.

Ellen: tá bem nanda? Tá sentindo algo? - alisou meu cabelo

Nanda: eu to bem amiga quero saber do neném - suspirei

Ellen: ele não corre risco amiga a bala não atingiu nenhum órgão ele está bem, só que vai ter que passar por outra cirurgia a bala da perna está alojada ele pode ficar sem andar - falou baixo

Nanda: Mds - passei a mão no rosto – quero sair daqui quero ver ele - sentei na cama

Ellen: calma eu vou chamar o médico - assenti e ela saiu.

Demorou nada a Ellen voltou com o médico ele tirou o soro falou pra mim manter a calma que eu estava muito nervosa e me liberou fomos andando até o quarto que ele estava.

Quando entrei e vi ele ali naquela cama tão abatido me deu um aperto no coração, me aproximei devagar da cama acariciei o rosto dele.

Nanda: você vai sair dessa cabeção você e forte - sorri sentindo as lágrimas descer – seja forte pela nossa princesa nos te amamos demais - beijei a testa dele.

Fiquei um tempo ali conversando com ele era estranho ver ele ali daquela forma inconsciente sai deixando ele ali descansar.

Falei com minha sogra eu por mim ficaria ali até ele acordar mais ela mandou eu ir minha mãe já estava sabendo de tudo não contou nada pra Alana graças a Deus.

Fui pra casa com a cabeça no mundo da lua subi o morro até andando pra espairecer quando cheguei minha mãe tava na sala sentada.

Ruth: oooh Meu amor - veio até mim me abraçou e eu comecei a chorar

Nanda: não quero perder ele mãe eu não posso perder ele - chorei mais

Ruth: vai da tudo certo meu amor, vai tomar um banho vou arrumar uma coisa pra tu comer tá- assenti.

Tomei um banho tão demorado chorei muito debaixo da água lavei meu cabelo sai enrolada na toalha coloquei uma roupa de ficar em casa passei o pente no cabelo e desci.

Alana: mamãe - me abraçou – nossa você demorou no curso hoje estava com saudades - sorri

Nanda: aaaah Meu amor, mamãe foi resolver uns problemas - beijei a testa dela

Alana: e Meu pai? Ele falou que ia vim aqui hoje - bufou e minha garganta deu um no

Nanda: seu pai ainda não chegou filha ele vai vir assim que chegar tá bom - ela assentiu

Ruth: vem cá Alana ajudar a vovó - ela foi correndo

Deitei no sofá suspirando passei a mão no rosto e peguei meu celular tava lotado de msg sem cabeça nenhuma pra responder todos.

O preço dessa vida (M)Leia esta história GRATUITAMENTE!