Prólogo - A face branca de um encontro

150 12 22
                                                  

"Alexitimia é um termo que diz respeito à marcante dificuldade em descrever emoções, sentimentos e sensações corporais. A palavra provém do grego, onde A indica ausência, lexis é palavra e timia, emoção. Um dos principais sintomas é a confusão entre sensações e sentimentos".

***

Os sentimentos são intrínsecos a nossa existência, podemos dizer que são uma forma de caracterizar um ser, já que, sem eles, nos livramos de nossa humanidade.

Mas o que fazer quando uma névoa negra escurece todas as sensações? E viver trata-se apenas de um caminhar sem destino, onde necessitamos de qualquer motivo para não encerrar nossa jornada.

Presenciar sentimentos ruins é melhor do que não sentir nada?

Para o primeiro casal bíblico, certamente não.

"Deus disse: 'Não comam do fruto da árvore que está no meio do jardim, nem toquem nele; do contrário vocês morrerão' ". (Bíblia Sagrada - Gênesis 3:3)

"Deus sabe que, no dia em que dele comerem, seus olhos se abrirão, e vocês serão como Deus, conhecedores do bem e do mal". (Bíblia Sagrada - Gênesis 3:5)

Será que as emoções humanas são a punição divina para os pecadores? O conhecimento ao invés de uma dádiva uma maldição?

Talvez a culpa não seja de um Deus, mas sim de nós próprios, que somos incapazes de libertar-nos desta aura preta que carregamos no âmago do coração.

"Todo o mal de que este mundo está cheio,

Todo medo e sofrimento que há,

O apego ao "eu" é a causa!

O que devo fazer com esse grande demônio"?

(O Caminho do Bodisatva cap. 8, v. 134 Shantideva, Índia, séc. VII)

Como espantar um fantasma que deveria ser seu protetor? Um demônio que alterou tudo que você mais amou?

Afirmo que o surgimento do mal dentro de mim se deu no momento que ele usurpou minha infância, a transformando em seu laboratório de estudos.

Quando criou a partir da mulher que mais amei uma boneca inanimada.

Criando um mundo de ilusões infernais, uma tortura ao psicológico, de um lugar que parecia divertido um purgatório.

Do que conhecemos como sonhos, um pesadelo.

Não sei ao certo como livrar-me do diabo dentro de mim, toda a raiva, o ódio, a sede de vingança e justiça percorre minhas veias, consumindo tudo como se fosse um líquido ácido e corrosivo.

Seu nome.

Joseph Bryer.

Meu pai.

Ou como ficou conhecido na internet.

O moldador de mentes.

A angustia que carreguei durante anos, que foi-se dissipando com o tempo, retornou com força esmagadora agora olhando para a mesma máscara branca.

O símbolo da sua falta de empatia, da malevolência concentrada em uma pessoa.

Depois de invadir tantos sonhos, justo quando havia desistido de procurar, finalmente por acidente o havia encontrado.

Por um curto período de tempo, não consegui manter a respiração, estava ofegante e com os batimentos do coração acelerados.

Minhas pernas não se moviam, o corpo inteiro congelado.

Tudo que conseguia fazer era ficar ali, parado no terraço daquele prédio.

Olhando para o homem que arruinara minha vida.

Sua expressão parecia a mesma de anos atrás.

Imóvel.

Sem esboçar um único sentimento ou palavra.

Apenas retornando o olhar, como se me analisasse e julgasse por ser fraco.

Por não ser igual a ele.

Tentei manter o controle para não despertar da projeção.

Cada segundo que passava, fazia sentir minha forma se esvaindo.

Eu não conseguiria manter-se naquele plano.

Naquele sonho.

A única chance que tinha para me vingar estava escapando.

Já sabendo que o nervosismo e a apreensão daquele reencontro me levariam de volta ao meu quarto.

Desabei.

Lágrimas correram dos meus olhos.

Nutrir um sentimento tão ruim por alguém, por tanto tempo, me fez torna-se um túmulo de emoções, onde petrifiquei quem eu deveria ser.

Ao inverso dele, que não sabia distinguir o amor de ódio, me agarrei ao afeto de minha mãe, que me ensinou a ser bom com o mundo e com as pessoas, mesmo que me maltratassem.

Desaparecendo, antes de partir, tudo que consegui dizer foi:

— Sabe me dizer o que estou sentindo agora? Por que pai? Por que fez aquilo com ela?

O Moldador de MentesOnde as histórias ganham vida. Descobre agora