Capítulo 37

3 1 0

Os outros competidores entraram no vestiário após Nelson já ter terminado seus rituais pré-torneio.

Bem na hora, pensou o nadador, feliz que ninguém o vira fazendo o que geralmente faz antes dos torneios. Então um pequeno sorriso surgiu em seu rosto. O Cris teria rido se isso tivesse acontecido. E então ele ia querer que eu mostrasse os rituais.

Enquanto se entretinha pensando no namorado, por força do hábito, Nelson olhou para os outros nadadores, conferindo rosto a rosto. Não reconheço ninguém... Então notou por que ele não sabia nada deles.

O que estou fazendo...? Conferindo a competição...? Não é como se eu tivesse qualquer informação deles nem nada... Não é um torneio grande também... é só uma competição local... até o treinador não fazia ideia da competição...

Os últimos a chegarem no vestiário pararam ao ver Nelson. Embora hesitassem um pouco, eles pegaram as chaves e guardaram seus pertences nos armários. Então ficaram parados no canto, falando entre si enquanto se trocavam e olhando para Nelson de tempo em tempo.

Com um sorriso amargo, o atleta percebeu o motivo.

Nem queria pensar nisso, mas é o que ganho por ser o maior nome daqui... Ele riu em sua cabeça. Não que ser o maior nome da área me faça vencer nem nada... Como sempre, preciso fazer por merecer.

Nelson decidiu ignorar a atenção extra que recebia, incerto se gostava ou não daquilo.

Pensando bem, esse tipo de coisa acontecia quando tinha um nadador novo... ele ficava impressionado por estar no mesmo lugar que seus ídolos... espera... eu fiz o mesmo... acho que é como um ritual de passagem pra um atleta...

Ele estava tirando uma das toalhas do saco plástico entre o resto dos pertences que Cris o forçara a trazer quando alguém se aproximou dele.

— O-oi — disse o nadador, tenso. — Você é o Nelson, né?

Ele parecia ser alguns anos mais velho que Nelson. Apesar disso, parecia nervoso enquanto falava com o atleta. Os outros com quem ele sussurrou no canto permaneceram alguns passos atrás.

Deve ser nervosismo de pré-competição, pensou Nelson, sorrindo em sua mente. Não posso culpar o cara... Faz quanto tempo desde que senti isso? Espera, melhor não me lembrar... A primeira vez que bateu foi quando vomitei na piscina...

— Oi. — Nelson cumprimentou o competidor com um tom amigável.

Mas foi um erro; só deixou o nadador e os outros atrás mais nervosos ainda.

— E-Eu só queria dizer que te vi na TV hoje e... e-embora seja o seu r-retorno e tudo mais, d-d-digo, nós não vamos f-f-facilitar pra você — conseguiu dizer, tentando sair o mais confiante que podia, apesar do gaguejo. — V-Vamos todos nos esforçar. Não pense que será fácil!

Apesar da voz, os olhos do nadador jamais fraquejaram.

Os olhos dele brilham com o fogo de um verdadeiro nadador.

Nelson parou de sorrir. Ele mostrou um rosto sério e estendeu a mão.

— Vamos mostrar tudo que temos hoje, sendo assim — disse, com a voz determinada, olhando direto nos olhos do competidor.

Com uma risada nervosa, que parou quase imediatamente, o nadador agarrou a mão e apertou.

Os outros vieram para frente, empurrando o primeiro nadador para que saísse do caminho e pudessem cumprimentar Nelson.

O nadador e o assistenteRead this story for FREE!