O BAILE - PARTE III -

323 31 0

O baile segue lindo. Todos felizes, rindo, inclusive eu. Me sinto melhor do que achei que me sentiria.

Rilary é incrível, me conta histórias de seu reino animadamente. Com seus quinze anos, ela aparenta ser bem mais nova, mesmo com sua postura mais que exemplar de uma verdadeira princesa, sempre reta e até a forma como mastiga as frutas. É digna de seu título. Estou longe de atingir esse nível.

Tudo isso é novo demais para mim, e dou graças a Deus por não terem exigido de mim a bendita postura exemplar. Ainda.

- Olha isso. - Rilary diz sorrindo e vai direção ao irmão, tenho quase certeza do que fará. Uma pegadinha bem provavelmente, contando com o que ela me disse a poucos minutos atrás, que o irmão sente horrores de cócegas na barriga. Okay, aí ela pode ter fugido um pouco do ponto. Pelo menos algo normal hoje.

Estou com Rilary desde que dancei com Jacob, ela não desgrudou de mim e sou grata por isso. Precisava e preciso mesmo de alguém para me trazer a realidade de tudo que está acontecendo a minha volta.

É como costumava falar para minha mãe, surpresas vem e vão, mas pela surpresa que tenho agora, preferia que isso não fosse verdade. Num impulso, algo imprevisível, sinto uma jorrada de um liquído frio percorrendo todo meu corpo, da cabeça aos pés e intantaneamente percebo do que se tratava. A fonte que antes escorria chocolate por sua estrutura, explodiu o doce em mim.

O salão inteiro parou, todos me olhando paralisadamente, não consigo ver nada, só procuro uma porta de saída e o que encontro é a do jardim e sem pensar muito corro para lá.

Saio em frente ao castelo que para meu desgosto está chovendo e há uma enorme quantidade de fotógrafos me observando. Que vergonha!

Corro pela latereal do castelo e sigo até o fundo, lá um campo enorme se alarga à minha frente, coberto por pequenas árvores, flores, bancos, e uma fonte imensamente grande no centro.

Pelo menos aqui está vazio, e pela quantidade de guardas que cercam a lateral da enorme construção, nenhum jornalista tem permição para vir aqui.

A chuva fica mais forte e sinto o chocolate escorrendo, talvez me limpando, só talvez.

Sento no banco em frente a fonte, a vergonha atingiu o auge hoje, não sei se consigo voltar para lá, não sei nem se consigo continuar o que estava tentando fazer, ser uma princesa.

Não sei quem fez isso, mas posso garantir que aquela fonte não mirou e explodiu chocolate, espalhando-o todo em cima de mim sozinha.

Tampo o rosto com as mãos enquanto a chuva cai acima de mim. Nesse momento devo estar enxarcada.

- É sério? Tanto lugar para se ir e você veio justamente para cá? - sei de quem é essa voz e não estou nada animada para achar graça em qualquer coisa aqui.

- Me deixa em paz Mayson!

- Eu até te deixo - ele se aproxima - mas só se você me deixar sentar ao seu lado.

Só agora olho para ele e o vejo completamente seco e assim percebo que a chuva que assolava o lugar se foi. Rápido, eu sei.

Observo-o. Não ligo para como estou, provavelmente muito molhada e com resquícios do chocolate por todo lado.

Mas sinceramente? Não ligo, se ele quiser rir, ele pode, apesar de achar que Mayson não fará isso.

Com um pouco de dificuldade tiro a coroa da minha cabeça e começo a observar os detalhes, é dourada e as pedras espalhadas por ela são em tom rosa. Delicada, mas poderosa.

- É linda. - Mayson diz suave.

Apenas concordo com a cabeça esboçando um leve sorriso.

- Você provavelmente sabe quem fez aquilo, certo? - novamente apenas balanço a cabeça concordando. - desculpa, ela tem um certo "apego" por mim.

Apenas o olho séria. O que ele quis dizer? Megan tem ciúmes de mim? Com Mayson? Por que teria?

Ele percebe o que disse e o que quis dizer. Sabe como estou, além de envergonhada, com uma pitada de tristeza, por muitas coisas, inclusive por deixar minha vida e vir para cá começar uma nova. Com um gesto de certa forma bonito ou indelicado, dependendo da forma como você vê, ele pega minha mão e diz:

- Harley, não fica assim, okay? Quer saber? - olho estranha para ele enquanto me puxa pela mão para que eu me levante. Não entendo no início. Até que ele diz: - ainda não tive a oportunidade de ver minha aluna em ação - ele me gira suavemente - não comigo.

Sorrio diante daquilo. Esse garoto é real?

Ele tira a coroa da minha mão, a caloca em minha cabeça e giramos em volta da fonte rindo, não dançamos sério, sinto que é apenas uma forma de Mayson me fazer esquecer o que havia acabado de acontecer.

A chuva havia parado há um tempo, mas como nem tudo são flores, uma bendita lama espalhada por uma área o faz escorregar, no impulso só o que sinto é Mayson caindo e me puxando junto. Nossa única reação é rir. Caio em cima dele. Se ele se machucou não demonstra.

- Ai meu Deus - digo rindo sem parar - desculpa.

- Não foi culpa sua - ele diz sem parar de gargalhar. Eu acompanho. Essa com toda certeza é a situação mais embaraçosa e engraçada que já passei.

Olho para ele enquanto levantamos, Mayson está enxarcado de lama.

- Olha isso - digo passando a mão em seu braço afastando a lama que suja seu blazer perfeito não tão perfeito no momento.

Então acontece, nossos olhos se encontram por um momento, um momento único, fazendo com que eu me perca completamente nesse oceano que são os olhos azuis dele. A luz da noite parece deixar Mayson mais... bonito do que já é, seus cabelos loiros em contraste com o brilho da Lua e das estrelas.

Dou graças a Deus assim que uma voz me afasta da distração louca que Mayson me causou. E não poderia ser uma voz melhor.

- Filha?

CONTINUA...
















O que estão achando de Mayson? Ah, eu me casaria com ele. Pena que está em um livro haha.
Deixem a estrelinha e comentem.

Bjinhoss 😙

Uma Coroa em Minha Vida    [CONCLUÍDO]Onde as histórias ganham vida. Descobre agora