Capítulo 16 - Depois da Batalha

12 3 0

— Droga! — gritou o lorde ao ouvir as notícias.

Ele fechou e abriu o punho, a respiração ficando mais pesada. Alonso olhou em volta, tentando encontrar algo para descontar a raiva. Seus olhos pousaram no suporte em que a armadura amassada estava. Sem pensar duas vezes, ele empurrou-a para o chão com toda força que tinha.

Seu rosto demonstrou dor enquanto o som de metal batendo preenchia a tenda do nobre.

Alonso grunhiu, mas recusou-se a gritar. Fechando os olhos, ele colocou uma mão nas costas e respirou fundo para suportar a dor.

— Meu senhor, por favor, não se mova muito — disse Enrique, indo para o lado do lorde com a preocupação estampada no rosto. — Você deu sorte de não ter quebrado nada além de algumas costelas enquanto lutava sozinho contra aqueles bandidos...

No instante em que falou, a expressão do conselheiro mudou. A preocupação deu lugar à culpa enquanto ele olhava para as bandagens de Alonso.

— Pare com isso, Enrique. Não foi sua culpa — disse Alonso, com raiva na voz, acenando a mão para seu conselheiro, suportando a dor com muito esforço.

Enrique abriu a boca, mas então a fechou, olhando para o chão.

Sim, pensou Tetsuko. Quem poderia ter visto a cobra? Se não fosse por isso, Alonso teria liderado o exército e matado o resto dos bandidos...

A alma dentro da espada assistira seu portador desde que ele despertara. Ela não conseguia dizer qual era o estado dele, portanto, a única coisa que fez foi escutar a conversa dos dois enquanto descansava desconfortavelmente na bainha que era grande demais para seu corpo de metal.

Mas você não deveria passar dos limites, meu portador. Já é incrível que tenha despertado em menos de um dia com esses ferimentos. Sua resistência é incrível, mas deveria descansar pra próxima batalha...

Além disso, você fez o certo àquela hora, pensou a alma dentro da espada. Foi a melhor escolha... ou as perdas seriam enormes...

Após o senhor e a espada mal conseguirem retornar para o exército principal, Alonso percebeu imediatamente a situação da batalha.

Apesar da incrível vantagem numérica, os bandidos pararam de isso. Em vez disso, eles estavam recuando para o coração da floresta.

O exército avançava sob as ordens de Enrique.

Mas eles jamais perceberam que aquilo fazia parte do plano dos bandidos.

Os criminosos recuaram, de fato. Mas não faziam apenas isso. Eles também atraíam o exército.

Quanto mais perto chegavam do centro da floresta, o lar dos bandidos, as armadilhas ficaram mais mortais.

Conforme o exército avançava, mais soldados caíam nas armadilhas. Mesmo assim, eles ainda perseguiram os criminosos.

O senhor percebeu que seus soldados estavam tomados pela sede de sangue. O nobre objetivo deles de se livrar dos criminosos que aterrorizaram o reino desaparecera. Se a batalha continuasse naquele ritmo, se continuassem perseguindo os bandidos até o centro da floresta, eles não derrotariam o bando.

Pelo contrário, o exército só perderia mais homens e mulheres.

Quando ele reuniu-se com Enrique, o comandante teve ainda mais certeza daquele destino.

Não foi fácil para Alonso, tanto mentalmente quanto fisicamente, mas ele ordenou que todos recuassem.

Os soldados tiveram dificuldade em obedecer. Estavam tomados pelo desejo de sangue para escutar direito.

Re;BladeLeia esta história GRATUITAMENTE!