CAPÍTULO 18

5 0 0

Uma Mensagem Importante

          Em Vênus, Dandara conversa com um mercenário em uma taberna, em uma cidade do interior. Malik a aguarda do lado de fora, sentado em um banco metálico comprido, encostado na parede da taberna perto da porta de entrada. O capuz do manto cobre o seu rosto. Ele vigia o local.

          — Abaeté e a Cidade do Sol estão sob vigia o tempo todo. Os marginais de Heitor controlam quem entra e quem sai das cidades... te aconselho a passar bem longe delas! — O jovem mercenário, de cabelos ruivos encaracolados, comenta enquanto toma um pouco da bebida azul de seu copo. Dandara, que está sentada à mesa com ele, se joga, lentamente, para frente, para poder conversar aos sussurros com o rapaz.

          — Preciso saber o que Heitor está tramando... Sei que os aliados dele o abandonaram, mas esse verme não deixou Vênus ainda, logo, tem uma estratégia bem definida pra atacar Yby... preciso saber o que é.

          O rapaz põe o copo sobre a mesa, espreme os lábios, pensa um pouco então olha a mercenária nos olhos.

          — Tudo bem... posso ver o que consigo, mas não sairá barato... posso morrer pelo simples fato de fazer perguntas sobre Heitor por aí!

          Dandara aciona a tela holográfica de seu bracelete, depois pega um pequeno e fino cartão no bolso de seu manto e o entrega ao mercenário.

          — Tome... aceite esses créditos como metade do pagamento. Quando me entregar a informação que preciso, te dou a outra metade.

          O mercenário pega o cartão, sorri para Dandara, se levanta, toma o resto da bebida, bate o copo sobre a mesa e sai da taberna. Na saída, Malik o observa; pouco depois Dandara também sai, cobrindo a cabeça com o capuz de seu manto. Malik se levanta.

          — E então?

          — Ele vai conseguir a informação, não se preocupe. — Dandara diz e os dois seguem para o veículo estacionado do outro lado da rua. — A Cidade do Sol e Abaeté estão sob a vigilância de Heitor...

          — Então a Primeira Cidade também está...

          — A Primeira Cidade é muito grande e já é vigiada pelo Clã e pelo Governo... estaremos seguros por lá. — Dandara diz, enquanto os dois entram no veículo.

          — Até hoje não entendi por que um desertor do Clã formaria uma Casa Mercenária na Primeira Cidade...

          — Heitor é louco, Malik... — Dandara diz sorrindo. O veículo segue rapidamente pelo ar.

          Na Primeira Cidade, Dandara procura por seus contatos de confiança, mas nenhum soube lhe dizer o que se passa na Casa de Heitor. A mercenária decide não ficar andando pela cidade, para evitar ser reconhecida pelos guerreiros de Heitor, então vai até a loja de Akira, pegar uma encomenda, enquanto espera pela resposta do mercenário ruivo.

          Na loja, enquanto observa a nova espada, a luz azul de seu bracelete se acende.

          — Me encontre na floresta na fronteira da Primeira Cidade com a área inabitada de Vênus. — O jovem mercenário diz, através da tela holográfica.

          Dandara sobrevoa a floresta e pousa o veículo em uma pequena clareira. Enquanto esconde o veículo com galhos cheios de folhas, conversa com Malik.

ArtemísiaLeia esta história GRATUITAMENTE!