Gerard Way

1.5K 143 392
                                    


Boa tarde thuthuquinho...


É isso mesmo produção??? Foi atualização dupla no final de semana???

Sim!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!


É isso mesmo.!!!!!

Como no capitulo anterior não tivemos frerard A Mika e a Juh resolveram fazer uma dupla atualização e ja trazer um capitulo hoje!!!

Também atendendo a alguns pedidos!!! E também por agradecimento, Yana Esta na top 3 de relevancia nas tags "mcr", "mychemicalromance", "gerardway" e "frankiero".

Queremos agradecer a todos nossos leitores, que votam, que comentam... 

Obrigada pessoal...


Esperamos que gostem desse capitulo, porque as autoras adoram ele....

Ok, vou parar de enrolar e sigamos para o capitulo

-

-

-


Sempre fui contra qualquer contato com Michael Way, meu irmão, porém, como tantas outras vezes até ali, Frank foi absurdamente teimoso.

Vinte minutos haviam se passado e ele ainda não tinha voltado, ou o fato de eu estar trancado no banheiro não me permitiu verificar o retorno dele.

As coisas com meus pais nunca foram das melhores. Na verdade, eu sequer sabia se podia chama-los de pais. Eles apenas haviam me posto no mundo, nunca de fato foram pais ou representaram qualquer coisa a mais que não fosse: Estranhos que me visitavam uma vez no mês para deixar dinheiro.

Minha avó, Elena, me falara sobre meu "irmãozinho". Na época, talvez, eu tenha ficado feliz porque poderia ter um amiguinho para brincar... O único problema era que obviamente eles não abandonariam o filho alpha. Sendo assim, nunca mantive contato com Michael James Way. E não era agora que as coisas iriam mudar.

Observei a pia do banheiro e lavei novamente meu rosto. Tantas coisas passando pela minha mente. Eu havia evitado aquele encontro o máximo que pude desde que soube do nascimento de Michael. Até falara com ele uma vez, quando criança, porém, não fora uma boa ideia. Depois disso passei a observá-lo de longe quando vinha com eles visitar minha avó, contudo, aquilo despertava o meu pior lado, e eu odiava isso.

Inveja, raiva, saber que ele possuía algo que eu nunca teria... Me deixava frustrado.

Sequei meu rosto e me apoiei na pia, olhei minhas mãos que se seguravam como se estivessem me apoiando para não desabar, fracas demais para suportar... Há muitos anos, pensava que com o tempo, eu conseguiria formar minha própria família... Preencheria esse espaço vago, me livraria desses sentimentos que surgiram com a existência de Michael e com o abandono de meus pais.

Minha avó fora tudo para mim, entretanto, ela despejava a mesma atenção que tinha comigo a seu outro neto. Ela nos adorava, e fazia o melhor que podia, entretanto, isso me irritava. É egoísta, mas a queria apenas para mim... Michael já "possuía" nossos pais. Decidi que faria minha própria família, pois, exigir isso dela era cruel.

"Família... Que idiota..." – pensei fitando meu reflexo no espelho.

Quando saí, finalmente, do banheiro, Frank já estava de volta ao quarto, deitado em uma parte da cama. Ele sorriu ao me ver, mas não retribuí.

Onde eu estava com a cabeça? Aproveitar o tempo que ficaríamos juntos naquele apartamento? Isso era ridículo, só acabaria de uma forma e eu não estava nem um pouco disposto a suportar.

You Are Not AloneOnde as histórias ganham vida. Descobre agora