IV

45 15 37
                                                  

Juro por tudo o que é mais sagrado que ouvi sussurros em uma língua que não identifiquei, ouvi também risadas debochantes. Vi nas paredes vultos que pareciam pular e dançar a luz vermelha das velas, tinha também um cheiro forte de enxofre ou algo muito podre que não sei descrever mas que me deu muita ânsia de vômito.

Minhas pernas travaram e senti um medo que jamais senti antes. Fechei a porta, sai de lá e prometi nunca mais voltar.

Pensei em contar para Agenor, mas achei que não seria correto. Apenas fui para casa tentar dormir.

Nessa noite lembro que não dormi, tive pesadelos a noite toda com o tal gato e o zelador.

No dia seguinte, na minha caixa de correio estava um papel, nele estava escrito:

"Não se meta com o que não se deve detetive. Há forças bem maiores do que a força humana pode imaginar."

De algum modo o zelador sabia que eu iria vasculhar. Se foi o dono ou o guarda quem contou para ele eu não sei, e fiz questão de nunca saber. Nunca mais passei nem perto do cemitério, nunca mais nem ouvi falar do tal José Carlos, nem o vi novamente e espero que assim seja pelo resto dos meus dias.

As vezes quando passo na antiga casa de Agenor e Célia eu vejo um gato preto sentado na escadinha que fica à frente da porta de entrada, e ele me encara com os mesmos olhos vermelhos que Célia descreveu em seu caderno.

FIM

Os Olhos Do InfernoOnde as histórias ganham vida. Descobre agora