Ciúme parte 2|Capítulo 31

726 51 10

Eu e Henrique saímos do prédio como dois estranhos. Ele simplesmente passou a me ignorar como se eu não fosse ninguém. Não sei o que fiz para ele. Pensei que pudesse ser ciúmes do Sam, mas já não sei e seria isso. Ele está com a expressão de raiva a muito tempo na face.

Conduzo o carro pelas ruas do Rio de Janeiro, de vez enquanto o olho de soslaio, mas nem isso ele faz. Quando não está mexendo na porcaria do celular está com os olhos grudado na janela.

Subimos o elevador calados, ele nem quis olhar na minha cara. Assim não dá.

Dialogo. Palavrinha chave dos centros terapêuticos.

-Henrique, o que aconteceu? -perguntei cansada do seu banho de gelo ganhando sua atenção

-Nada, doutora Bittencourt. Só sou o promotor que vai te ajudar no caso e o palhaço que tem que ficar assistindo a sua conexão com o Sam. Não é assim que você o chama? -ele volta a encarar o painel dos andares do elevador.

-Caralho Henrique! Fala sério, ciúmes do Sam?

-Katrina, o cara visivelmente estava querendo entrar no meio de suas pernas e você pareceu não se importar.-ele solta

-Henrique não! Isso é impossível. Sam tem uma linda família. Somos amigos, só isso.

-Katrina, ele tem pau. Você viu como ele olhou para você quando você sacou a pistola de dentro das pernas?-ele rebate saindo do elevador e eu correndo atrás segurando o riso.

Se ele está com ciúmes da nossa amizade assim, imagine só se eu revelar que namoramos?

Nota mental: NÃO CONTAR QUE NAMOREI COM SAMBATARO PARA HENRIQUE

-Amor, não viaja. Ele é meu amigo. Não contei que você é meu namorado porque não achei oportuno.-seguro em seu braço e queixo para que ele me encare.

-Não quero você perto dele. Tampouco que você sacando armas de dentro das pernas.-ele abre a porta de seu apartamento.

-Você está exagerando, meu anjo.-digo entrando no ambiente atrás dele

-Não, estou me precavendo. Aliás, por que razão você não me contou da coroa de flores?-indaga colocando as chaves no aparador

-Não deu tempo.

-Não deu tempo ou você não quis? Katy, sou eu que sou seu namorado. Não aquele cabelo lambido.-me encara com aquela sobrancelha quase ruiva levemente levantada

Não aguentei. Gargalhei com a cena ridícula que eu estou presenciando. "cabelo lambido" .Meu namorado se supera.

-Eu sei,meu amor-digo entre risos

-Não vejo razão para você rir. Se sabe, por que contou para ele? -ele se altera, me tirando levemente do sério.

Alguém acordou com o pé esquerdo.

-Henrique, Sambataro me conhece a muito tempo. Ele participou da minha cura, por assim dizer, fomos parceiros de curso de segurança. Foi com ele que dividi minhas experiências. Fomos namorados? Sim, mas no passado. Hoje somos amigos, tanto que é a ele que estou confiando a minha segurança e a sua. Não pira.

-Como é que é Katrina?-ele rosna embaralhado-você está me dizendo que você namorou com aquele cara?

Puta merda! Cadê a minha nota mental?

Puta merda! Cadê a minha nota mental?

Ops! Esta imagem não segue as nossas diretrizes de conteúdo. Para continuar a publicar, por favor, remova-a ou carrega uma imagem diferente.
Treinada para não Amar_ Katrina[CONCLUÍDO]Leia esta história GRATUITAMENTE!