Capítulo 30

140 12 4

HELLEN

Os dias que se seguiram ao pedido foram como uma névoa, ligeiros e buliçosos. Nunca pensei que organizar um evento desse porte seria tão complicado e, por vezes, estressante. A data do casamento foi marcada para o final do ano, em Novembro, porque todos teriam tempo para organizar os detalhes para a festa.

A minha equipe de compras já estava montada: minha mãe, a irmã Ângela e minha melhor amiga Lídia. A impressão que eu tinha era de que elas estavam mais ansiosas e nervosas que eu para essa nova fase. Lídia não parou de falar durante todo o caminho que percorremos naquele dia. Se não era sobre vestidos e mantilhas, era sobre as panelas e armários que eu já deveria estar comprando para a minha casa. Eu não conseguia me aborrecer com ela, até porque eu me sentia da mesma forma. Era como se não tivesse tempo suficiente para fazer todas as coisas que planejava organizar antes do grande dia.

Por vezes me jogava na cama e chorava, assim do nada mesmo, e ficava me perguntando se por acaso havia enlouquecido, com as emoções à flor da pele. Era um misto de felicidade inexplicável com um nervosismo sem precedentes! Queria que tudo fosse perfeito, que o florista acertasse na cor que eu desejava, que os convidados ficassem satisfeitos com a organização e alimentação, que o salão da festa ficasse do jeitinho que eu imaginei nos meus sonhos...era tanta coisa que eu não sabia como organizar meus pensamentos e manter minha sanidade mental em boas condições. Para completar, a escolha do vestido estava sendo mais difícil do que algum dia imaginei! Na verdade, eu não sabia muito bem o que eu desejava, estava esperando que aparecesse algum que me cativasse e me fizesse sentir realmente uma noiva. Até aquele momento nenhum havia me tocado dessa forma.

Minha mãe sempre me aconselhava, dizia que era normal ficar hipersensível na preparação do casamento.

— Quando o seu pai me pediu em casamento eu fiquei nas nuvens! Achei que já estava tudo certo, e que a festa seria o de menos! Eu tinha 19 anos, ainda era muito inexperiente. Minha mãe nunca foi muito próxima de mim, e meu pai não tinha muito jeito para falar sobre sentimentos, em geral, então eu me virava com as minhas amigas, que tinham praticamente a minha idade. O que elas poderiam me dizer naquele momento? Tornei-me uma manteiga derretida, literalmente! — Ela riu. — Mas Deus sempre foi meu grande apoio, sabe? Quando eu sentia que ia desabar, corria para o meu quarto e passava um momento em oração. Não consigo dizer ao certo quantas vezes o meu coração foi consolado e acalentado.

Quando ela contava essa história eu sempre parava de chorar e ficava atenta, tentando captar todo e qualquer conselho que me ajudasse a sobreviver àquela fase.

— Eu e o seu pai fizemos tudo sob a direção divina, nunca ousamos fazer nada apenas porque gostaríamos de fazer, mas sempre colocávamos aos pés do Senhor nossos desejos e aguardávamos uma resposta antes de agir. Até a escolha do lugar para fazer a recepção e os mínimos detalhes do casamento passaram pela orientação divina. Isso nos ajudou bastante a não cometer nenhum erro. Não deixe que a ansiedade e o medo de falhar tomem o seu coração. Você está vivendo um dos momentos mais felizes da sua vida, aproveite para viver cada segundo intensamente, porque você sentirá falta de todas essas experiências que está vivendo nesse momento.

Então eu respirava fundo, enxugava os olhos e dava um sorriso tímido, abraçando a minha mãe em agradecimento por mais uma pérola de sua sabedoria. Eu precisava ser forte, e tomar as rédeas desse grande empreendimento. Nem todas as decisões poderiam ser terceirizadas, eu queria estar por dentro de todo o processo, e ver tudo dando certo no grande Dia.

O Marcos estava fazendo o possível para que eu ficasse mais tranquila, procurava me visitar pelo menos quatro vezes na semana, quando o trabalho permitia, e sempre que estávamos juntos fazia de tudo para que a nossa conversa não se voltasse para os preparativos do casamento.

Liberdade - Uma história de amor e féLeia esta história GRATUITAMENTE!