CAPÍTULO 2

852 78 1

" - Tenho motivos para não faltar com respeito para com a senhorita - começou o guarda - então, por favor. Apenas obedeça.

Ele se levanta e apenas me encara. Puxo minha mãe e juntas vamos até a cozinha, fechando a porta começo:

- Mãe - digo olhando no fundo de seus olhos - por acaso tem algum motivo para o rei querer falar comigo?

Minha mãe anda muito estranha ultimamente, há duas noites estava passando em frente ao quarto deles e os ouvi falar que tinham algo para me contar, mas não tinham certeza se fariam ou não. Depois disso passei a desconfiar a todo tempo deles.

- Como assim filha? - ela me abraça - jamais esconderia qualquer coisa de você.

Recuo. E apenas a olho estranha, tem algo muito errado aqui.

- Mãe - lágrimas forçam surgir - por favor, me conta.

Ela tira do bolso do avental uma carta, bem arrumadinha, em um papel bem novo, possivelmente escrita há pouco tempo.

- Leia isso, no castelo, me promete que vai ler quando estiver lá. Prometa filha.

Nesse momento vejo em seus olhos que realmente ela escondia algo. O mais estranho é que a minutos atrás não desconfiava de nada. E agora... De imediato não entendi o que estava acontecendo. Apenas peguei a carta e saí da cozinha.

Já na sala olhei para o guarda, que sorriu, por um motivo completamente desconhecido por mim.

- Eu vou. - apenas respondo, foi estranho, não queria ir, mas há dez segundos atrás mudei minha opinião, minha mãe nunca me diz nada que não deveria fazer. Se ela disse para que eu fosse, tem um belo motivo para isso. E um grande fato sobre mim: sou muito curiosa.

- Apenas itens pessoais, o castelo te fornecerá o resto. - antes que eu pudesse questionar o porquê ele saiu da casa. Fiquei apenas parada por uns instantes, eu, Harley, no castelo real.
* * * * * * * * * * * * * * * * * * * *
Passei toda a noite pensando e pensando. As coisas aconteceram de presa demais e isso não é nada bom. Não conseguia dormir, me levantei, fui até a escrivaninha e peguei a carta que minha mãe me dera.

Pensei em abri-lá, mas me lembro do que minha mãe disse, só poderia abrir quando estivesse no castelo. Me levanto da cama e vou até o corredor de casa, assim que começo a descer as escadas paro na metade, meus pais estão conversando, a única coisa que ouço é eles falarem: - falei com ele, deixe ela ir e vamos ver o que acontece. Ela precisa saber suas origens e não tem forma melhor do que em contato com o lugar de onde ela realmente veio.

Subo correndo as escadas, chegando lá me deito e a única coisa que penso em fazer é ir até aquele castelo e acabar com todo segredo que está se revelando a minha volta. É tudo muito confuso, não quero me precipitar, mas a única coisa que passa por minha cabeça é que isso não terminará bem.
* * * * * * * * * * * * * * * * * * * *
Ao pisar os pés fora de casa, me surpreendo com o carro que me aguarda. Uma linda limusine, preta. Nunca me imaginei entrando numa dessas.

Por dentro vários comes e bebes estão postos sobre uma bancada em frente a bancos de couro. Me dispeso da minha mãe a abraçando.

- Volto já, prometo.

Minha mãe apenas me abraça mais forte. Chego em frente ao meu pai e o abraço também, com um olhar triste ele diz:

- Eu te amo filha, independente de tudo, nunca se esqueça disso.

Meu pai sempre foi muito amoroso, sempre! Mas nesse momento ele ter me dito isso é algo extremamente estranho, ele disse como se nunca mais fosse me ver.

Ao entrar no grande carro me sento em um dos bancos e adimito que são mais confortáveis que minha cama.

Enquanto viajamos observo a cidade e fico pensando o que vai acontecer quando chegar lá. O que eles querem? Por que? São perguntas que não saem de minha cabeça. Depois de vinte minutos de viagem chegamos ao lugar de meus sonhos. O lugar que nunca imaginei que um dia conheceria. O castelo. Um lugar esplendidamente lindo. Do lado de fora mais guardas me aguardam. Assim que desço do carro um deles pega minhas malas e em poucas palavras diz:

- Siga-me.

A frente do castelo é maravilhoso, em um bege claro, um lindo jardim dos dois lados de uma grande escada que leva até a enorme porta que dá para a entrada.

O castelo é lindo e muito, muito, muito grande! No salão principal onde acontecem os bailes há um lindo lustre, coberto por cristais que se inclinam sobre cada feixo de luz, como água que se derrama sobre as pedras em uma cachoeira. É um salão simplesmente incrível e grande, somando minha casa inteira ainda não se compensa seu tamanho, não que minha casa seja muito grande.

Quanto mais subo as escadas que dão para o segundo andar, mais me admiro. Assim que chegamos ao topo da escada o guarda vira em um corredor imenso e enquanto andamos observo as paredes, vários quadros estão dispostos por uma área da parede, pinturas do rei, da rainha e provavelmente de seus antepassados.

O guarda para em frente a uma porta de madeira marrom, com detalhes desenhados na madeira, com flores e folhas.

Ele a abre e o que vejo depois da porta é simplesmente incrível. O espaço onde lá no vilarejo era só um espaço com uma cama velha, um armário e uma escrivaninha, aqui tem o dobro do tamanho, com um banheiro, uma cama enorme, uma bela penteadeira, com inúmeras maquiagens dispostas e o melhor: uma varanda com uma vista esplendida para o jardim. Sem dúvidas, a melhor parte.

Antes de se virar e sair o guarda diz:

- A noite terá um jantar especial, para a senhorita e a família real. Esteja preparada. - ele faz uma pausa e com um suave sorriso diz: - Seja bem vinda.

Estranho a forma como ele fala. Primeiro venho para cá, sem ao menos saber o porquê, depois um guarda que nunca vi, sorri para mim e ainda me deseja boas vindas.

É algo louco, diferente e de certa forma sem sentido, mas está acontecendo e só o que quero é saber o motivo de tudo isso."

CONTINUA...












OBRIGADA POR LEREM!! ESPERO QUE TENHAM GOSTADO E QUE FIQUEM CURIOSOS PARA SABER O QUE IRÁ ACONTECER.

BJNHOS 😙

Uma Coroa em Minha Vida    [CONCLUÍDO]Onde as histórias ganham vida. Descobre agora